Eles me forçam a voltar ao assunto. Na revista Marie Clair havia uma boa e ampla reportagem sobre o consumo de álcool – cada vez maior – entre as mulheres e o sexo realizado quando elas estão “altas”, sem saber o que estão fazendo... Conversa mole essa de dizer que o álcool leva as pessoas a fazer o que elas nunca quiseram fazer, conversa mole. Uma garota pode parecer recatada, pode parecer de bom juízo, educada, essas coisas... Mas aí, vai à balada com as “amigas”, enche a cara, sob o incentivo de todas elas, e a partir daí não sabe mais o que faz, e faz sexo com um tipo que esteja por perto. Certo? Nunca, jamais. O álcool não altera a consciência moral, estou cansado de dizer isso, o álcool afrouxa, isso sim, o “superego” – o controle moral da personalidade – e a pessoa vai fazer o que “sempre” quis fazer: sexo promíscuo. Que fique muito claro, ninguém faz nada que não lhe seja de vontade muito bem desenhada nos porões da mente... Quem é desalinhado existencial não precisa de álcool ou drogas para fazer bobagens ou crimes. Mas o sonso, o dissimulado, os bandidos enrustidos, a falsa santinha que posa de boazinha, essa sim, essa e esses precisam... Claro que os advogados criminalistas, para defender seus clientes patifes vão morrer dizendo que eles cometeram o crime sob o efeito de drogas, mas é artimanha de defesa de bandido. Você pode, já dei esse exemplo várias vezes, dopar o Papa, dar a ele a droga que for e depois convidá-lo para assaltar um banco ou roubar o dinheiro de alguém indefeso... Nem caindo pelas tabelas de tanta droga ele vai aceitar. A instância moral dele é impermeável aos efeitos das drogas, seja qual for a dosagem. Então que fique muito claro, essas “coitadinhas” que dizem fazer sexo porque beberam mentem. Elas ardem por fazer sexo, mas se travam pelos efeitos controladores da sociedade ou de alguém que lhes sejam próximos, mas no fundo querem muito pular o muro dos controles. A droga apenas lhes abre a porta, mas elas já eram o que eram, a culpa não é da droga. Vale para todos os delitos e seja da parte de quem for. Sem essa de que a culpa é da droga. É do caráter.

LEIA A COLUNA COMPLETA NA VERSÃO DIGITAL DO JORNAL O CORREIO DO POVO