Você já deve ter ouvido alguém dizer – “Ah, se eu passar nessa prova, bah, poderei dizer que sou uma pessoa feliz...”. Outro pensa que será feliz se casar com a fulana... A fulana pensa que só será feliz se o “Júnior” der bola para ela... Um outro lá adiante, espera pelo aumento de salário, aí sim, poderá respirar tranquilo e sentir-se feliz... Exemplos não falta, não faltam inclusive com você, leitora, leitor. É um vezo nosso colocar a carreta à frente dos bois: primeiro o sucesso para só depois ser feliz. Estupidez pura.

De outro lado, vivemos condicionando a felicidade ao lá e ao então; lá, em outro lugar, e então, em outro momento. O diacho é que felicidade é uma garota especial, ela só dá o braço ao aqui e agora. Ou somos felizes no aqui e agora ou nunca o seremos, o passado já passou e o futuro não chegou, como de resto, nunca chega.

Jamais alguém conseguiu estar, viver no futuro. Só existe o presente contínuo, a melhor forma verbal da vida. E sem nos sentirmos felizes não chegaremos a nenhum sucesso, o sucesso que for. Um infeliz não atravessa a rua, será atropelado pela sua infelicidade.

Nos processos eleitorais, é costumeiro entre nós, esperarmos por mudanças. Esperamos ou exigimos dos eleitos que “mudem” o nosso cotidiano, a nossa vida. Modo grotesco de pensar.

Aliás, sobre essa questão há uma velha proposta dos povos milenares, aquela proposta do – “Se quiseres mudar o mundo, muda a ti”. A mudança será imediata. Mas é claro, tudo na vida humana é percepção, isto é, um modo de ver e sentir os fatos, as vivências, a vida.

Só que tem uma coisa: não há nada mais difícil na vida ou, dito melhor, não há nada que possamos fazer para mudar o mundo a partir de nossas mudanças. Nossas mudanças são impossíveis. Ninguém muda nos seus valores básicos, ninguém.

Quem disser que muda ou mudou, mente. Nossos carimbos de vida vêm dos nossos pais ou dos “velhos” que nos educaram por palavras e exemplos. Mas fazer o quê? É por isso que é tão difícil ser feliz. Nos ensinaram que para ser feliz temos que ter isso e mais aquilo, não temos que ter coisa nenhuma, felicidade é tão-somente um ato de inteligência, consciência e vontade. Aqui e agora, sem nada. Tente.

Justiça

O que você acha da proposta bíblica – a cada um segundo suas obras? Correta, não é mesmo? Então, é fazer isso com os filhos, os eventuais pivetes. Fez errado, vai pagar, de um modo ou de outro. Fez algo correto, virtuoso, que lhe venha a premiação, o elogio. Não sendo assim, como alguém pode esperar que “os outros” sejam justos ou façam justiça? Pior de tudo, como fazer justiça aos estranhos se não o fizermos antes com os nossos filhos? Argh!

Músicas

Não consigo escrever sem barulho por perto, qualquer barulho. Era o que acontecia até há pouco. Liguei então a tevê e fui para o canal de músicas da Sky. Parei na faixa dos Sambas de Raiz. Que coisas lindas, que letras, que talentos... Mas por que, Santo Deus, as rádios não tocam esses sambas, essas preciosidades? Ah, entendo, têm que programar o gosto dos broncos, ah, entendo!

Falta dizer

O mundo está acabando. Uma “atriz” de televisão dizendo que pegou gonorreia... Pegou de quem, amor? De quem? Conta quem foi o sujo. E uma outra assanhada de tevê anunciando que está grávida... grávida do noivo. Grávida do noivo? Como é isso? Deus me perdoe!