A violência, em âmbito nacional, é nossa principal mazela, reflexo da desigualdade e tantas outras carências que impactam a sociedade. Ela é de natureza sistêmico estrutural. Nos acompanha desde os tempos da colonização, resistindo graças, inclusive, a um atual sistema judiciário pouco inibidor.

Portanto, não existe uma solução imediata, pois a violência não poupa espaço, ela transita até mesmo no ambiente das escolas, justamente o reduto mais esperançoso para a solução desse problema. Ninguém duvida que o caminho mais viável para minimizar a violência seja otimizando a presença de alunos nas escolas. A sociedade só conquistará a sensação de segurança, com muito investimento em educação, algo que ainda estamos distantes.

De forma generalizada, uma de nossas incapacidades, dentre outras carências, é a proteção dos alunos no ambiente escolar. Percebe-se que Jaraguá do Sul está atento para essa realidade.

A Secretaria de Educação está providenciando aquisição de equipamentos de videomonitoramento para seis escolas e quatro centros municipais de educação infantil, definidas como unidades piloto para operação de câmeras de segurança, estendendo-se, posteriormente, para todas as escolas e centros.

De acordo com a Secretaria de Educação, o videomonitoramento será voltado, notadamente, para o controle de entrada e saída das escolas e centros, bem como, para inibir vandalismos. A segurança nas escolas deve também ser entendida como instrumento educacional, por contribuir com o desenvolvimento humano em sua totalidade.

Sabem os gestores mais atentos, que a neurociência está aí para evidenciar os inquestionáveis benefícios da sensação de segurança dentro das escolas, por estimular funções cognitivas, otimizando o desempenho escolar.

Enfim, um futuro melhor só se fará com pessoas melhores. Ações dessa natureza demonstram que nossa cidade está no caminho.