O consumo da cerveja quase sempre está associado ao aumento do peso corporal e, principalmente, da gordura abdominal. No entanto, beber cerveja pode relaxar e, segundo alguns estudos, também pode fazer bem à saúde. Ficou surpreso com a notícia?

Eu escolhi este tema porque na minha cidade (Blumenau/SC) vai começar a Oktoberfest, a segunda maior festa alemã do mundo, atrás apenas da tradicional Oktoberfest de Munique, na Alemanha. Só em 2018, aqui em Blumenau, a festa registrou o consumo de mais de 620 mil litros de chope!

De acordo com pesquisadores da Espanha, a cerveja contém aproximadamente 95% de água e é a bebida com menor teor alcoólico (5% em média). Uma tulipa de 200 ml equivale a 85 calorias, menos do que um copo de suco de laranja.

Além disso, uma pesquisa da Faculdade de Ciências da Alimentação e Nutrição da Universidade do Porto, em Portugal, sobre as propriedades nutricionais da cerveja, concluiu que a bebida é rica em vitaminas do complexo B, polifenóis, fibra solúvel, silício, magnésio e potássio, que exercem benefícios na prevenção de várias doenças.

Nem sempre a vilã é a cerveja

A verdade é que a ingestão da cerveja não engorda, desde que o seu consumo seja moderado e esteja associado a uma alimentação saudável e à prática de exercícios físicos. Essa fama de “vilã” pode ser atribuída pelo fato de que o consumo de cerveja vem muitas vezes acompanhado de petiscos e alimentos altamente gordurosos e calóricos (frituras, por exemplo), bem como a ingestão da bebida em quantidades abusivas.

Segundo um estudo do Japão, por ser rica em polifenóis, a cerveja seria capaz de exercer um efeito antioxidante capaz de aumentar a concentração das células de defesa do nosso organismo, elevando a produção de anticorpos e combatendo os efeitos provocados pelos radicais livres.

Foto Daniel Zimmermann

Além do mais, o consumo moderado da cerveja poderia ajudar a fortalecer os ossos. Segundo pesquisadores da Universidade da Califórnia (Estados Unidos) tendo em vista que a cerveja é uma fonte de silício, o seu consumo poderia contribuir para melhorar a densidade óssea.

Outro estudo realizado na Holanda mostrou que o consumo moderado e regular da cerveja aumenta a biodisponibilidade de vitamina B6, quando comparado com pessoas que não bebem com frequência. Essa vitamina ajuda a eliminar a homocisteína, substância que contribui para o desenvolvimento de doenças cardiovasculares.

Mas, lembre-se, o exagero faz mal, sim!

Os benefícios anteriormente referidos não têm por objetivo influenciar e/ou incentivar o consumo da cerveja. Até porque, em todas as pesquisas mencionadas, os resultados encontrados foram associados ao consumo moderado da bebida, aproximadamente 400 ml para mulheres e 600 ml para homens.

O objetivo deste post foi apenas informar aos que apreciam a cerveja que, quando consumida moderadamente, não apresenta riscos para a saúde, podendo auxiliar na manutenção de uma vida saudável.

Seguindo essa temática, no próximo artigo vamos conversar a respeito do metabolismo da ressaca. Ein Prosit!

Quer receber as notícias no WhatsApp?