TODOS PRECISAM SABER

Faltando pouco mais de uma semana para o pleito eleitoral de 2022, a apresentação de informações úteis aos brasileiros e brasileiras, no mínimo, é obrigação para quem consegue atingir um determinado universo de pessoas.
Até parece que teremos eleições, apenas para a Presidência da República.
Muitos estão se esquecendo do Legislativo Federal e os dois locais (Câmara dos Deputados e Senado) são muito importantes, senão, decisivos para o Brasil.
Nas duas Casas (ou quando se juntam e formam o Congresso Nacional), a vida dos brasileiros pode piorar ou melhorar.
Nem vamos falar sobre corporativismo e nem a troca de favores.
Os dois locais possuem extremada importância.

VEJAMOS

O Senado vai renovar 1/3 dos seus integrantes, ou seja, o Brasil vai escolher 27 Senadores.
Existem situações gritantes nas gavetas dos Senadores e sem nenhuma providência.
A renovação de um terço das vagas, permite mudar o cenário.
Hoje e inegavelmente, o Senado está inerte, paralisado.
Só para citar um dos exemplos: são centenas de pedidos de impeachment de Ministros do Supremo Tribunal Federal e que dormitam nas gavetas senatoriais, sem nenhuma explicação ou satisfação daqueles a quem pagamos os salários.

SE VOCÊ NÃO SABE

A Lei que muda a vexatória condição de “foro privilegiado” e que se transformou numa espécie de blindagem da corrupção, votada na Câmara dos Deputados e alterada no Senado, aguarda há 5 anos a votação dos deputados federais.
Claro que a Lei acaba com o foro privilegiado e assim sendo, a vontade para fechar a válvula de escape, simplesmente desapareceu.
Sem foro privilegiado, a possibilidade de deputados e senadores acabarem no xilindró, uma vez que se protegem por trás desse condão, é grande.
Eles não querem correr o risco.

DEPUTADOS E SENADORES

Os estados (por seus eleitores) escolherão Deputados Federais e Senadores, conforme representatividade e obviamente, votação.
Aqui em Santa Catarina, o cargo de Senador dispõe de apenas uma vaga e são 10 candidatos.
Já as vagas para Deputados Federais são 16.
Para não fazermos contas com números quebrados (são mais de 300 candidatos), vamos arredondar: média de 18,75 candidato por vaga.
As regiões de cada um, as chamadas bases de apoio farão toda a diferença.
Só por curiosidade:
- O dileto (a) leitor (a) já pesquisou sobre os candidatos e sabe em quem vai votar?

ARRANCADA

Nem é preciso ser “especialista em eleições ou pesquisas” para fazer a seguinte assertiva:
- Candidato que não arrancar bem em termos de voto desde a sua base, a chance de eleição ficará muito reduzida.
E também não precisa ser nenhum iluminado para afirmar:
- Os partidos no afã de cumprir cotas, fazer legenda e ter cabos eleitorais, lançaram muitos candidatos numa única região. Ou seja: queimaram todos e reduziram suas chances.