IGNORÂNCIA

Devemos ter o sentimento de piedade das pessoas que são ignorantes e não fazem nada para mudar a situação.
Um percentual considerável da humanidade vive na escuridão do desconhecimento total.
Pior: repetem as bobagens que ouvem como se fossem verdades.
Não há nada pior do que a ignorância e provas disso, sobejam: impedem o crescimento pessoal, o progresso na vida profissional, faz o indivíduo pagar o mico da imbecilidade, sem falar de outros adjetivos pejorativos, os piores.
Para falar ou para escrever, a obrigação reside num único ponto: saber!
Se não domina o tema, o melhor é ouvir de quem sabe.

POR QUE A ANOTAÇÃO

Porque correu em redes sociais, a Fake News de que o Presidente da República Jair Bolsonaro (PL) é Maçom.
Não é!
A Maçonaria que está intrinsicamente ligada à história da humanidade – minimamente falando – está muito além do que conhecem “os mundanos”.
Invencionices existem desde que o mundo é mundo, mas alguns extrapolam os limites da razoabilidade.
O Brasil tem uma história com a Maçonaria? Sim!
O Brasil teve Presidentes Maçons? Sim!
O Brasil teve figuras importantes que fizeram sua história e que eram Maçons? Sim!
Você sabe onde estão os Maçons brasileiros? Não!
Mas, aposte: em todos os lugares e onde você menos imaginar.
Não acredite em tudo o que ouve! Certamente ouvirá muitas mentiras e situações da criatividade humana, afinal de contas, falar do que não se sabe permite ilações que beira à sandice.
A Maçonaria possui entre seus princípios basilares, fazer o bem e coletivamente.
Aos neófitos, o sentimento de dó, piedade, afinal de contas, são alimentados pela ignorância na mais pura essência.

PRESSÃO

A cada dia, os Senadores da República (pelo menos um grupo), pressiona o Presidente da Casa Rodrigo Pacheco, também conhecido como “roda presa”, a colocar em pauta a CPI dos Institutos de Pesquisas.
Os dados que estão sendo divulgados por tais empresas, no mínimo, possuem a velada intenção de influenciar os eleitores.
Não é crível que um deles tenha errado em 26 pesquisas das 27 realizadas.
A primeira desculpa foram os dados defasados do Censo do IBGE.
Como ficou muito vago e ninguém acreditou, arrumaram um culpado: foi um tal “erro de digitação”.
Mas em 26 pesquisas?
Do nada e sem nenhum motivo especial, a “lojinha de percentual (sim, deve existir) deu um crescimento de 10 pontos percentuais ao Presidente Jair Bolsonaro.
De onde saiu isso?
Não se sabe, mas em breve veremos a aparição de algum estagiário.

NÚMEROS

O tema mais importante para ser analisado pelos candidatos no segundo turno eleitoral nacional: abstenções.
Segundo dados do Tribunal Superior Eleitoral, o espantoso número de 32.800.000 (Trinta e Dois Milhões e Oitocentos Mil) brasileiros não compareceram para votar no dia 2 de outubro, ou seja, 20,95%.
A multa insignificante é um incentivo.
Vamos rememorar alguns dados:
Na Nicarágua, apenas 30% dos eleitores foram votar e deu no que todos nós estamos vendo.
No Chile, foi pior: 53% dos chilenos não foram votar para Presidente e a “vaca foi para o brejo”.
Para os que não querem ajudar nosso país, vamos lembrar: a Venezuela, onde os habitantes já comeram todos os animais de estimação (gatos e cachorros), fica logo ali.