O tema é complexo e fui buscar nas leituras que já fiz, alguma explicação compreensível do nosso momento atual.
No livro “Cinco regras para vencer seus limites” de Paulo Zabeu e que foi lançado no final de dezembro de 2012, o autor ensina:
O que é credibilidade? É quando se diz e faz; prometeu, cumpriu.
Palavra é compromisso; jamais, em tempo algum, prometa algo que você já tenha certeza que não vai cumprir. Quando você promete sabendo que não vai cumprir, sua força interna recebe os reflexos da dúvida, da incerteza, da insegurança.
Esse movimento interno de não cumprir o que prometeu exerce uma pressão desnecessária dentro de você, no seu ponto de equilíbrio.
Se você prometeu, já sabendo que não irá cumprir, esse gesto forma um clima que vai trabalhar contrário à sua força interna. Muito mais grave ainda, prometeu-se para enganar, ou levar vantagens pessoais; enfim, por má-fé.
Credibilidade é você dizer modestamente o pouco que você pode fazer em qualquer circunstância, e, esse pouco cumprir. Se você não sabe se vai cumprir, não prometa, não garanta o compromisso.

VIVEMOS A FALTA

No período eleitoral que acabamos de encerrar (muito embora tenha começado outro no dia de ontem às 17 horas), vimos o sepultamento da credibilidade em alguns segmentos.
A chamada “grande imprensa” perdeu a credibilidade e os institutos de pesquisas precisarão “procurar onde está a tal credibilidade”.
Em algum momento da caminhada, todos cometeram pelo menos um dos erros abaixo:
1 - “Eu acho que…” (Falta de competência)
Competência é a marca da credibilidade, seja no empreendedorismo, na medicina ou nas redes sociais. As pessoas querem acreditar que você tem um conhecimento mais profundo de um assunto, além de apenas uma opinião.
2 - “Faça o que eu digo, não faça o que eu faço” ou “Não precisamos dizer isso a eles” (Falta de integridade/ honestidade)
Poucas coisas corroem a credibilidade de um líder mais rápido do que a desonestidade ou a falta de integridade.
3 - “Eu sei como você se sente” (Falta de empatia)
Credibilidade depende de inteligência emocional. As pessoas querem sentir que você entende o que elas estão passando e que está se colocando no lugar delas.
4 - A maioria das frases que começam com “eu” (Falta de fidelidade)
Pode ser desafiador para muitos de nós, mas apenas evitar o uso da palavra “eu” em uma conversa pode ajudar muito a sustentar e construir credibilidade. Por definição, o uso do “eu” denota egoísmo, bem como egocentrismo.
5 - “Eu estava certo sobre isso.” (Incompetência)
Além de usar “eu” novamente, o problema com essa frase é que ela sugere que você está se autoafirmando. Você quer que as pessoas saibam que você está certo desde o início.
6 - “Vamos esperar para ver o que vai acontecer” (Falta de cuidado para evitar erros)
Muitos líderes tentam abrir caminhos sem pensar. Mesmo quando colegas ou analistas mais cuidadosos oferecem recomendações que contradizem a direção que esperam tomar, eles jogam a cautela no lixo.
7 - “Eu não me importo com o que todo mundo está dizendo” (Falta de identificação)
Uma pesquisa sugere que as pessoas geralmente colocam credibilidade em outras pessoas que seus similares endossam. Isso é chamado de “identificação”.
Releia os sete apontamentos e verá facilidades em indicar praticantes.