Em entrevista à Coluna Plenário, o presidente da Câmara de Jaraguá do Sul Onésimo Sell, avalia os primeiros 100 dias na nova legislatura que assumiu no começo deste ano, além de ressaltar os projetos que foram aprovados, a relação entre os vereadores e os planos para o restante do ano.

Sell também destaca uma data importante para a Câmara: os 85 anos de instalação do Legislativo jaraguaense neste mês, e que segundo ele, está entre as câmaras mais enxutas de Santa Catarina.

Confira:

Como o senhor avalia esses primeiros 100 dias da nova legislatura na Câmara jaraguaense?

Foram dias de muito trabalho pela população, com o Legislativo fazendo efetivamente o seu papel de ouvir os anseios da comunidade jaraguaense. Tenho dito – e creio que os demais parlamentares fazem coro – de que temos uma Câmara de Vereadores preparada para discutir os problemas que surgirem e propor soluções efetivas para a cidade. O trabalho do presidente é sobretudo garantir a condução dos trabalhos. Isso se faz na conversa entre os vereadores, conciliando pensamentos para que o andamento da casa esteja garantido.

Quais foram os projetos de maior destaque votados pelo Legislativo até agora?

Internamente tivemos grandes conquistas como a definitiva instalação do Código de Ética na Casa, um projeto que se arrastou entre legislaturas, mas que finalmente saiu do papel. Além disso, estamos buscando parcerias com as entidades de classe para tornar a gestão mais eficiente. Aliás, todos os contratos estão sendo revisados.

Não há irregularidades, a equipe técnica da Câmara é altamente eficiente, mas sempre podemos ajustar, buscar a sintonia fina para utilizar bem os recursos públicos. Se formos falar daquilo que aprovamos para a comunidade, podemos dizer que a Câmara não faltou à sua responsabilidade, permitindo que fossem dispensados recursos para combater a pandemia – foram mais de R$ 2 milhões aprovados para montagem de leitos de UTI e compra de medicamentos – e nas obras que se fazem necessárias na cidade – também aprovamos mais de R$ 20 milhões em recursos, seja na pavimentação de ruas, construção de pontes ou rotatórias.

O fato da base do governo do prefeito Lunelli ser a maioria na Câmara, oito vereadores no total, auxiliou na aprovação mais rápida dos projetos do Executivo?

Ajudou, sim. Mas também ajuda o fato de que a interlocução com o Executivo está mais clara. Temos aqui, na base do governo, três vereadores que participaram do primeiro mandato do prefeito Antídio Lunelli. Ou seja, conhecemos bem o andamento da estrutura do Executivo e daquilo que a Prefeitura pretende fazer. Estamos aqui para auxiliar a Prefeitura nas suas realizações, fazendo a fiscalização que cabe aos vereadores e vereadoras.

Como está o relacionamento com os vereadores que fazem oposição?

Buscamos ouvir a todos, sem distinção. A oposição política é necessária e auxilia no desenvolvimento das propostas para a comunidade, mas é preciso ressaltar que o papel de oposição é desempenhado em relação ao Executivo. Aqui, dentro da Câmara, estamos todos os 11 vereadores buscando o melhor para a sua cidade, para a comunidade que os elegeu.

Ano passado, a Câmara realizou a maioria das sessões no formato online por conta da pandemia. Este ano, as sessões haviam voltado presencialmente, por sua determinação, e em março passaram a ser online novamente. Há uma previsão do retorno presencial?

As sessões voltaram a ser presenciais por decisão da Mesa Diretora tendo em vista que não havia decreto estadual que proíbe reuniões presenciais sem que haja distanciamento. No Plenário da Câmara, atualmente, não é possível fazer esse distanciamento de forma efetiva tendo em vista nosso espaço físico, por isso, as sessões voltaram a ser em formato virtual. Assim que o regramento de combate à pandemia permitir que as sessões voltem a ser presenciais, a Mesa Diretora irá discutir o assunto.

Qual o seu planejamento na condução da Câmara para os próximos meses do ano?

Neste momento (e mais do que nunca), o Legislativo precisa estar à disposição da comunidade, acompanhando a aplicação dos recursos públicos no combate à pandemia e no fortalecimento da economia local. Acredito que o grande compromisso da casa, pelos próximos meses, é esse: a busca pela eficiência e pela valorização da imagem institucional. A Câmara de Jaraguá do Sul completa 85 anos de instalação neste mês de abril sendo uma das mais enxutas entre as maiores de Santa Catarina. Temos um trabalho que cada vez mais é reconhecido pela população e estamos cada vez mais próximos das demandas da comunidade – e assim pretendemos continuar.

Foto: Divulgação