A crise causada pela pandemia do Covid-19 deve representar uma queda de 40% na arrecadação do município até o final deste ano, disse ontem o prefeito Antídio Lunelli (MDB) durante live realizada no facebook da Prefeitura de Jaraguá do Sul.

Na live, o prefeito respondeu perguntas de jornalistas do município e de internautas. A transmissão também contou com a participação da chefe de gabinete e presidente do Comitê Gestor do Plano de Prevenção e Contingenciamento em Saúde do Covid-19 Emanuela Wolff e do secretário municipal de Saúde Alceu Moretti.

O número apontado pelo prefeito se deve ao período de quase 30 dias em que muitas empresas, comércio e serviços ficaram parados por causa da quarentena decretada pelo governo estadual e que acabou afetando significativamente a economia.

Entre as medidas que a Prefeitura está tomando para contornar esta queda na arrecadação, o prefeito destaca a não contratação de novas obras, tendo continuidade somente das obras programadas e licitadas.

Além disso, Lunelli garantiu que a folha de pagamento dos servidores públicos será paga em dia, assim como o pagamento dos fornecedores. Essas medidas só são possíveis, segundo o prefeito, graças às ações de eficiência da gestão aplicadas desde 2017 e que acabam ajudando neste momento. “Vamos agora segurar todos os investimentos em outras áreas. A prioridade é o destino de recursos para as áreas da saúde e social”, comentou o prefeito.

Queda de 30% em Corupá

O prefeito João Carlos Gottardi (PSD) estima uma queda de até 30% na arrecadação do município este ano por causa da crise. Isto demonstra que até mesmo municípios que têm como forte a agricultura também são afetados, pois as empresas, comércios e serviços destas cidades sentiram o reflexo da crise ocasionada pela pandemia.

Levantamento das demissões

Segundo Antídio Lunelli, a Prefeitura ainda não tem os números oficiais sobre as demissões ocasionadas pela crise, mas destacou que no setor têxtil podem ter passado de 2 mil em apenas um mês, “enquanto que no Estado chegam a 400 mil demissões em diversos setores” destacou o prefeito.

Estado X União

Ao ser questionado sobre as medidas tomadas pelos governos estadual e federal sobre a pandemia, Lunelli disse que faltou mais diálogo no começo da pandemia com os municípios, assim como as entidades representativas. “Queimamos a largada. Poderíamos ter começado de uma forma diferente”, ressaltou o prefeito sobre a necessidade de que Estado desse autonomia para que os gestores municipais pudessem tomar decisões conforme o número de casos da doença e característica de cada município.

Para Lunelli , o Comitê Gestor do Plano de Prevenção e Contingenciamento em Saúde do Covid-19 formado por integrantes do setor público e de entidades locais e a OAB foram fundamentais para a tomada de decisões necessárias para o controle da doença e ao mesmo tempo focadas na economia do município e que garantissem segurança jurídica ao Município.

Recursos escassos

Sobre a vinda de recursos tanto do governo federal, quanto do estadual, Lunelli informou que até o momento Jaraguá recebeu cerca de R$ 5,5 milhões do governo federal. Segundo ele, o governo do Estado ainda não repassou recursos para o município investir no enfrentamento da pandemia.

Testes rápidos

De acordo com o secretário de Saúde de Jaraguá do Sul Alceu Moretti a Prefeitura adquiriu 2 mil testes rápidos de coronavírus para o coronavírus, mas a previsão de entrega era para semana passada, mas ainda não aconteceu. Segundo Alceu, este atraso ocorre por conta da grande demanda por testes em todos os municípios do Brasil. Moretti afirma que Jaraguá do Sul não prevê a realização de testes em massa.

 

CURTAS

Repercussão

Ao falar sobre o pedido de demissão do ministro da Justiça Sérgio Moro na sexta-feira (24) e que causou grande repercussão no País, o deputado Carlos Chiodini (MDB) comentou que: “o momento é para salvar vidas e, infelizmente, nasce uma crise política, institucional e jurídica em nosso país, em meio a uma pandemia”, destacou. Segundo Chiodini, a Câmara dos Deputados tem um enorme desafio que é manter a pauta econômica neste momento. “Parabenizo o Sérgio Moro pelo trabalho à frente do Ministério da Justiça”, finalizou.

Corrupção

O deputado Fábio Schiochet (PSL) disse que lamenta profundamente a saída de Moro por conta de seu protagonista num dos mais importantes momentos de combate a corrupção da história do País, a Operação Lava-jato. “Entendo que é um duro golpe no combate a criminalidade de toda espécie, afinal, foi de Moro o pacote anticrime com o endurecimento das penas para traficantes”, comentou e emendou: “Em conversa com o então Ministro Moro, tive apoio total ao meu Projeto de Lei 3193 de 2019 que dispõe da Integração do Sistema de Registro do Banco Nacional de Mandados de Prisão ao sistema de cadastros da rede hoteleira”, comentou.

Nomes

Bolsonaro pretende confirmar dois nomes ligados a ele para o Ministério da Justiça e para a direção-geral da Polícia Federal. O ministro da Secretaria-geral da Presidência, Jorge Oliveira, é cotado para assumir o Ministério da Justiça no lugar de Sérgio Moro. O cotado para comandar a Polícia Federal é o delegado Alexandre Ramagem, atual diretor da Agência Brasileira de Inteligência, a Abin. Ramagem foi chefe da segurança de Jair Bolsonaro durante a campanha e também é próximo da família do presidente.

Impeachment

Desde a última sexta-feira (24), quando o ex-ministro da Justiça Sérgio Moro anunciou sua demissão, a Câmara dos Deputados já recebeu três novos pedidos de impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Ele é acusado de ter cometido crimes de responsabilidade previstos na Constituição Federal e na Lei do Impeachment. Um dos pedidos foi feito pela ex-líder do governo no Congresso, deputada Joice Hasselmann (PSL-SP), que é a atual líder do PSL – partido pelo qual Bolsonaro foi eleito.

Economia

Bolsonaro exaltou ontem o papel do ministro da Economia Paulo Guedes afirmando que ele é o único homem que “decide” o que o governo deve fazer nessa área. Isto ocorre no momento em que se especulava que Guedes poderia ser o próximo a sair do governo, após as baixas de Sergio Moro e Luiz Henrique Mandetta. O presidente afirmou ontem que: “O homem que decide a economia é um só, Paulo Guedes. Ele é quem nos dá o norte, as recomendações, e o que nós realmente devemos seguir”, afirmou Bolsonaro.
Guedes disse que o governo deve apresentar um plano com as “contrapartidas” às medidas emergenciais adotadas pela União por causa do coronavírus.

Aprovado

A Câmara jaraguaense aprovou em sessão extraordinária virtual ontem, por unanimidade de votos, quatro projetos encaminhados pelo Execuivo voltados à pavimentação de ruas. Foi aprovado crédito no valor de R$ 25,5 mil, para pavimentação da Rua Leopoldo Mahnke, no Centro, R$ 427,1 mil para asfaltamento das Ruas Leopoldo Malheiro, Emil Burow e Severino Schiochet, também no Centro e o valor de R$ 444,8 mil para pavimentação das Ruas Onélia Horst e Goiás, ambas na Vila Lenzi. Nesta terça-feira, os vereadores fazem outra sessão.

Quer mais notícias do Coronavírus COVID-19 no seu celular?

Mais notícias você encontra na área especial sobre o tema:

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul