Audiência pública realizada esta semana pela Câmara jaraguaense tirou as dúvidas dos vereadores e da população sobre o chamado “tratamento precoce” contra Covid-19 e as ações realizadas até o momento para o enfrentamento da doença no município.

Esta foi a primeira audiência pública realizada em formato virtual pelo Legislativo, com transmissão pelas redes sociais e participação do público via e-mail. A vereadora Nina Santin Camello (PP), requereu e presidiu audiência.

O presidente da Associação Médica de Jaraguá, médico Rodrigo Ferreira de Souza, lamentou que o tema tenha sido politizado no combate à pandemia, mas destacou que no município o tema é tocado com responsabilidade.

“Não existe o mesmo medicamento para todas as pessoas, cada uma tem uma característica”, destacou. Ele apontou ainda que, independentemente da doença, a responsabilidade de prescrição de medicamentos ou outro tipo de tratamento é do profissional médico e lembrou que até o momento Jaraguá não precisou transferir pacientes para fora da cidade por falta de espaço.

Questionamentos

Muitas das perguntas feitas pela comunidade mencionavam um conjunto de medicamentos cuja eficácia não é comprovada no combate à Covid-19, causando divergências entre “tratamento precoce” e “tratamento preventivo”.

Segundo o médico Rodrigo, não é recomendado tomar medicações se a pessoa não tem sintomas. “Prevenção é distanciamento, máscara, álcool em gel. Tratamento é com medicação, depois que o paciente desenvolve sintomas”, completou.

O Secretário de Saúde Alceu Moretti, destacou a preocupação com o assunto tendo em vista que pessoas já chegaram nos hospitais de Jaraguá com intoxicação medicamentosa, por ingerir remédios sem recomendação.

Investimentos

Já a presidente do Comitê Extraordinário de Combate à Covid-19 Emanuela Wolff, destacou a criação da estrutura ainda em março de 2020, quando o governo estadual interrompeu diversas atividades econômicas por meio de decreto.

“Conforme há aumento ou redução de casos, alteramos a rede de atendimento em Jaraguá, ampliando ou reduzindo os locais para receber os pacientes suspeitos”, disse.

Emanuella destacou que mais de R$ 45 milhões foram investidos nas medidas de combate à pandemia em Jaraguá em um ano. Vale lembrar aqui que o município tem um dos menores índices de letalidade pela doença de SC e do país.

O deputado Chiodini (E) esteve reunido esta semana com o ministro da Infraestrutura | Foto: Divulgação

400 mil

É o número de mortes por Covid-19 que o Brasil atingiu na quinta-feira (29), segundo o consórcio dos veículos de imprensa. A primeira morte provocada pela pandemia, ocorreu no dia 17 de março do ano de 2020.