A Associação Empresarial de Jaraguá do Sul (Acijs), manifestou total repúdio à decisão do Congresso Nacional de aprovar, na quinta-feira passada, o valor de R$ 5,7 bilhões, do orçamento federal, para o Fundo Eleitoral de 2022. O valor é três vezes maior que o autorizado nas eleições de 2018.

No manifesto público, a Acijs destaca que a classe empresarial entende que esse ato configura o total desrespeito de parte da classe política, representada pelos parlamentares favoráveis à decisão, aos verdadeiros anseios da sociedade brasileira, de maneira totalmente dissociada da realidade do País, neste momento em que estados e municípios enfrentam os efeitos de uma crise sanitária com reflexos econômicos e sociais sem precedentes.

“A aplicação de recursos públicos na campanha eleitoral soa como deboche e demonstração de completa insensatez daqueles que deveriam primar pelo zelo do erário e a correta destinação do que é gerado por uma elevada carga tributária imposta ao conjunto da sociedade” ressalta o texto.

O manifesto da Acijs enfatiza ainda o quadro crítico da saúde pública que agravou as estatísticas da pandemia, com a elevação de casos da Covid-19 e mais de 500 mil vítimas fatais, e a questão do desemprego, que afeta mais de 14 milhões de trabalhadores, e um contingente expressivo de brasileiros vivendo em situação de pobreza extrema.

“Deputados e senadores demonstram, ao que parece, completa desconsideração, ou fazem questão de fechar os olhos, à situação fiscal do Brasil, em recorrentes déficits, causados principalmente pela má gestão da máquina administrativa, historicamente inflada e com recursos que deveriam ser aplicados em infraestrutura, saúde, educação e mobilidade, entre outros setores, sendo utilizados em grande parte no custeio de privilégios em cargos e salários do setor público”, aponta o manifesto.

A diretoria da Acijs encerra o texto conclamando “que essa decisão totalmente descabida seja revogada com urgência, sob pena de comprometer o desenvolvimento do País. Não há como a sociedade suportar que interesses partidários e eleitoreiros se sobreponham aos interesses da Nação.”

Aciag também emite nota

A Associação Empresarial de Guaramirim (Aciag) também emitiu nota sobre a triplicação do valor do fundo eleitoral citando que o aumento vem em meio de uma crise sanitária e econômica. Segundo o presidente da Aciag Adilson Demathe, com a força das redes sociais, os custos com o fundo eleitoral pode ser minimizados como aconteceu com a última eleição quando muitos políticos se elegeram com o orçamento mínimo.

A nota de repúdio da Aciag também cita que a região tem carências importantes, como a duplicação da BR-280 e o Contorno Ferroviário e que precisam de recursos e que poderiam vir destes bilhões destinados ao fundo eleitoral.

Moisés autoriza licitação para as obras de restauração na SC-110, entre Pomerode e Jaraguá do Sul

O governador Carlos Moisés da Silva autorizou ontem, a abertura de processo licitatório para escolher a empresa que ficará responsável pela execução da obra de restauração do trecho da SC-110, entre Pomerode e Jaraguá, no Pé da Serra. Os motoristas que trafegam pela rodovia enfrentam buracos na pista, acostamento mau conservado e falta de sinalização. Segundo o secretário de Estado da Infraestrutura e Mobilidade Thiago Vieira, o governador vai tirar do papel mais uma demanda antiga da região.

“Após economizar nos dois primeiros anos de gestão, está sendo possível realizar obras estruturantes de infraestrutura com recursos próprios”, comentou. A obra faz parte do Programa Novos Rumos, do governo do Estado. Serão executados, além da restauração do pavimento, os respectivos serviços de terraplenagem, pavimentação, drenagem, sinalização, e obras complementares.

O prazo para a conclusão das obras, após a assinatura da ordem de serviço, é de 18 meses e o investimento previsto se aproxima de R$ 40 milhões. O objetivo é assinar a ordem de serviço ainda este ano.

Foto: Reprodução

 

 

 

Procuradoria da Mulher

Está na pauta desta terça-feira (20), da Câmara jaraguaense, a votação do projeto de resolução que instituirá a Procuradoria da Mulher que vai funcionar nas dependências do Legislativo. O projeto é de autoria da vereadora Nina Santin (PP) e tem como coautores a vereadora Sirley Schappo (Novo) e o presidente da Casa Onésimo Sell (MDB). A Procuradoria tem como objetivo receber, avaliar e investigar denúncias de violação dos direitos da mulher, bem como encaminhar as referidas denúncias aos órgãos competentes.