A Polícia Civil encerrou o inquérito policial que apurou o assassinato de um homem morto a tiros dentro de um hospital em Balneário Camboriú.

Segundo a Polícia Civil, a vítima é suspeita de integrar organização criminosa.

No dia 22 de fevereiro de 2020, sábado de Carnaval, a vítima foi alvejada com 13 disparos de pistola calibre 9mm. O crime aconteceu em frente a uma conveniência na Avenida dos Estados, bairro das Nações, em Balneário Camboriú.

Os tiros foram efetuados por duas pessoas, que fugiram em um veículo com a ajuda de um terceiro homem. Em seguida, os autores foram para a Praça Almirante Tamandaré festejar o Carnaval.

Mas a vítima não faleceu no primeiro ataque. O homem foi encaminhado para o hospital Ruth Cardoso. Depois, no dia 2 de março, ele foi novamente alvo de disparos de arma de fogo por uma dupla, dentro da UTI do hospital. Desta vez os tiros eram de uma pistola calibre .40 e a dupla conseguiu matá-lo.

Ao longo da investigação, vários elementos foram colhidos pela Polícia Civil, possibilitando a identificação dos autores da tentativa de homicídio e do homicídio.

Em relação à tentativa de homicídio, foram indiciadas e presas duas pessoas como executoras. Contra uma terceira pessoa foi atribuída a qualidade de mandante do crime. No que se refere à tentativa, há ainda uma única autoria ainda desconhecida e as investigações continuarão.

Sobre o homicídio, foram indiciados e presos dois homens como os executores do crime. Outro homem foi indiciado e preso por dar a ordem do crime - é o mesmo que já havia ordenado a tentativa de homicídio. Ele responderá pela tentativa e pela consumação da morte.

Assim, dos sete envolvidos, cinco foram identificados, indiciados e presos, um se encontra com identificação desconhecida e um foi morto em confronto com a Polícia Militar em maio de 2020. Este último teria sido o responsável por emprestar uma das pistolas utilizadas na tentativa de homicídio.