Bruno Ferreira, 30 anos, foi executado ao lado de um Colégio do bairro Aventureiro | Foto Divulgação Redes Sociais
Bruno Ferreira, 30 anos, foi executado ao lado de um Colégio do bairro Aventureiro | Foto Divulgação Redes Sociais

Lendo a manchete você pode até achar que esta é uma notícia velha, mas não é. Aconteceu de novo. Em menos de uma semana, dois homens foram assassinados ao lado de escola de Joinville. Ambos os casos foram na zona Norte da cidade.

Desta vez, a vítima é Bruno Ferreira, 30. O homem estava de bicicleta ao lado da Escola de Educação Básica João Rocha, quando foi surpreendido por dois homens armados em uma moto.

Foi no cruzamento das ruas Jacupiranga com a Antônio Jorge Cecyn, no bairro Aventureiro, por volta das 22h15. A dupla fez vários disparos contra Bruno. Ele foi atingido na cabeça e ombro por pelo menos três tiros e morreu no local. Os criminosos conseguiram fugir em uma moto de cor preta. Ninguém foi preso.

O caso está sendo investigado pela DH (Delegacia de Homicídios da Polícia Civil) de Joinville. De acordo com a Polícia Militar, Bruno já tinha antecedentes criminais e já sofreu duas tentativas de homicídio.

O corpo de Bruno foi recolhido e levado ao IML (Instituto Médico Legal) de Joinville. O velório acontece na igreja da rua Dilma Virgínia Garcia, no bairro Aventureiro. A família ainda não decidiu o local do sepultamento que deve ocorrer nesta quinta-feira. Bruno era solteiro e deixa um filho.

Quem tiver qualquer informação sobre o crime pode, anonimamente, informar a DH no telefone 181 ou in box na página da DH no Facebook.

Caso parecido

Na noite da última quinta-feira (8), um homem foi executado a tiros em frente a uma escola no Jardim Paraíso. A vítima foi Willian da Rocha Borges, 20 anos. Ele tinha ido buscar a namorada no colégio quando foi surpreendido por dois homens em uma moto que atiraram contra ele. O rapaz morreu no local. Tudo aconteceu nas proximidades da EEM Deputado Nagib Zattar.

Vítima: Willian da Rocha Borges | Fotos Redes Sociais

PM diz que rondas em escolas são frequentes

Para o comando do 8ºBPM (Batalhão de Polícia Militar), responsável pelo policiamento naquela região, os assassinatos são classificados como ocorrências pontuais.

"Relativo aos homicídios contra Bruno e Willian a gente trata como algo pontual, devido à acertos de contas do tráfico de drogas e facções criminosas.", disse o tenente da PM, Etiene Barros de Rodrigues. Ele também é comandante da CPT (Companhia de Patrulhamento Tático) do 8ºBPM.

O policial vai além e pontua que as vítimas eram de facções criminosas rivais.

"Ambos tinham várias passagens criminais, inclusive por tráfico. Nosso serviço de inteligência levantou que a vítima Willian Rocha era faccionado do PCC. Já Bruno Ferreira integrava o PGC. Por tudo isso, classificamos as duas mortes como casos pontuais", informou o tenente responsável pelo poliamnto naquela região.

Barros conclui afirmando que o policiamento ostensivo é feito com frequência nos arredores de escolas, praças, postos de saúde e principais ruas dos dois bairros. Ele acrescenta que este trabalho deve ser intensificado ainda mais nos horários de entrada, intervalos e saída das turmas noturnas.

PM disse que trabalho ostensivo é frequente, mesmo assim, já intensificou o patrulhamento em frente as escolas | Foto Divulgação Polícia Militar

A Prefeitura de Joinville, por meio da Secretaria de Comunicação, informou que o serviço de patrulhamento da Guarda Municipal em frente as escolas da cidade é feito apenas no turno matutino e vespertino, devido ao efetivo.

Joinville já registra 26 crimes contra vida em 2019

De 1º de janeiro até hoje, 15 de maio, 26 pessoas foram assassinadas em Joinville. O número poderia ser ainda maior porque outras 34 vítimas sofreram tentativa de assassinatos na mais populosa cidade de Santa Catarina, segundo dados da Delegacia de Homicídios de Joinville.

A vizinha Jaraguá do Sul somou três assassinatos neste ano. Em Blumenau foram 16 crimes contra a vida consumados. Já na capital foram 29 homicídios em 2019.

Quer receber as notícias no WhatsApp?