Na manhã desta sexta-feira (14) foi deflagrada uma operação contra um grupo que fraudava licitações em Santa Catarina.

A Operação Fosso Limpo foi realizada pela Polícia Civil, especificamente pelos policiais da 1ª Delegacia Especializada no Combate à Corrupção (DECOR), em conjunto como o Ministério Público de Contas do Estado.

Cinco mandados de busca e apreensão foram cumpridos em residências e estabelecimentos empresariais em Florianópolis e Palhoça.

O inquérito policial foi instaurado para investigar direcionamento de licitações e superfaturamento de horas extras no contrato de prestação de serviços de limpeza de sistemas esgoto, firmado por uma sociedade empresária e a Casan, entre os anos de 2014 e 2015.

Com as investigações, constatou-se indícios da prática de fraudes à licitações, corrupção e peculato. Segundo as investigações, um funcionário da Casan, hoje ex-servidor, trabalhava numa função que possuía a atribuição de fiscalizar o contrato e facilitava as crimes, em conjunto com os sócios da empresa contratada pela estatal de águas e saneamento.

A Vara Criminal da Região Metropolitana na Comarca da Capital expediu os mandados e decretou o bloqueio de ativos financeiros e o sequestro de sete bens imóveis, avaliados em aproximadamente um milhão e meio de reais, tendo em vista o prejuízo estimado decorrente da fraude e a necessidade de garantir seu ressarcimento.

A operação contou com a participação de policiais da DEIC e da DPCO de Palhoça e de servidores do Ministério Público de Contas de Santa Catarina. As investigações prosseguem com o apoio do Laboratório de Tecnologia contra a Lavagem de Dinheiro (Lab-LD) da Polícia Civil.

As informações são da Polícia Civil de Santa Catarina.