O deputado federal Coronel Armando (PSL) fez uma visita ao Clube de Tiro Jaraguá, na manhã desta sexta-feira (23).

Além de conversar sobre a segurança pública em Jaraguá do Sul, Armando também ouviu as demandas dos CACs (Caçadores, Atiradores de Colecionadores).

 

 

Coronel Armando também participou de uma reunião que contou com a presença do comandante da 12ª RPM (Região de Polícia Militar), tenente-coronel Márcio Leandro Reisdorfer.

Na conversa com o oficial, o deputado federal elogiou os bons números da segurança pública no município.

“Jaraguá do Sul é a cidade mais segura do Brasil. Isso é um fato que já foi reconhecido e está ligado com a cultura da cidade. É um local que está muito ligado as tradições, como a Schützenfest, a festa do tiro. Isso mostra claramente que a arma é boa para a proteção da pessoa. A pessoa de bem usa arma como instrumento de defesa”, explica o deputado.

Reisdorfer (D) afirma que a parceria com a classe política é importante para a melhoria da segurança na região | Foto: Fábio Junkes/OCP News

O tenente-coronel Márcio Reisdorfer frisou que Jaraguá do Sul é um case de sucesso dentro da segurança pública e por conta disto, destaca a importância da vinda do deputado para discutir esse exemplo e trocar ideias sobre a questão.

Reisdorfer destaca que a união com a classe política e empresarial é importante para a manutenção dos bons números na cidade.

“Essa conversa também passa pela vinda de recursos. O deputado já encaminhou emendas parlamentares para a nossa região e isso é importante para continuar com essa parceria em prol da segurança. Quanto mais a gente investe, temos menos problemas relacionados a isto”, conta.

Controle de armas

De acordo com o deputado federal, há uma ideia implantada por movimentos contra as armas, capitaneado por partidos de esquerda, que cria uma espécie de demonização dos CACs.

Ele destaca que o controle do registro feito pelo Exército é rigoroso e evita o armamento de pessoas mal intencionadas.

 

“Essa é uma narrativa da esquerda, que quer desarmar a população por alguma causa. As normas são rígidas e eu acho que a gente tem que flexibilizar um pouco mais. O presidente Bolsonaro queria fazer isso, mas houve uma interferência do STF motivada por partidos políticos que são contra. É uma interferência política que a gente vai tentar reverter”, sintetiza o deputado.

O deputado federal destaca que não é possível uma liberação das armas como há nos Estados Unidos, mas defende a compra regulamentada pela Polícia Federal e pelo Exército Brasileiro, que são os dois órgãos que atualmente realizam esse controle.

O sócio proprietário do Jaraguá Clube de Tiro, Alessandro Federici, disse que é muito importante ter uma voz para buscar as reivindicações da classe no Congresso Nacional.

Ele destaca que há muitas mudanças e reviravoltas nas regras de controle de armas e isso faz com que haja uma insegurança jurídica.

“Essa vinda do deputado é importante para todos os atiradores. Houve essa série de mudanças com liminares impedindo os decretos de liberação das armas. Também pedimos uma ajuda junto ao Exército porque colocaram normas que não caíram. Foi muito bom ele ter vindo e estar aberto a nos ajudar em Brasília”, lembra Federici.