O Politicando desta semana é com o presidente da Câmara de Vereadores de Jaraguá do Sul, Anderson Kassner, do PP. Kassner foi o mais votado na eleição para o Legislativo em 2016, recebendo 3.550 sufrágios.

Durante a maior parte de sua vida, o pepista atuou na iniciativa privada. Quando eleito presidente, prometeu atuar para gerar mais economia, informatizar a Câmara e fortalecer programas de educação e cidadania política.

Na entrevista, Anderson Kassner anunciou que está atuando para reduzir os custos do Legislativo com a TV Câmara, são mais de meio milhão de reais ao ano para um público de “duas a três pessoas”.

Assista ao Politicando:

A proposta é tirar a programação da televisão e deixar apenas na internet, baixando a conta para perto de R$ 150 mil.

“Mais uma economia de R$ 95 mil da assessora da presidência que eu não coloquei. Sugeri ao prefeito para colocar mais médico no Pronto Socorro”, diz Kassner que projeta encerrar o ano com uma economia de R$ 1 milhão em conjunto com os demais vereadores.

Projetos polêmicos

O parlamentar também comenta os projetos aprovados e ou em discussão como o Dia da Bíblia, Dia do Evangelho, pedido de intervenção militar, proibição de ideologia do gênero, escola sem partido, lei que obriga as escolas a comemorar o Dia dos Pais e Mães.

Na visão de Kassner, ao levantar esses debates, a Câmara está atendendo aos anseios da comunidade. “Mas cada vereador tem uma ideologia, que às vezes não é consenso”.

Kassner também reafirmou que não colocará em votação o projeto que altera o regime do Issem sem que antes o Executivo explique aos servidores públicos quais são as mudanças e a importância delas.  O papel do Legislativo tem sido fundamental, na opinião do vereador.

Ele cita as alterações propostas aos principais projetos do governo Antídio Lunelli, como a Cosip e a revisão da planta genérica de valores. Além disso, na votação do próprio pacote de cortes, os parlamentares negociaram a retirada do projeto que alterava o pagamento de triênios e a progressão de letras.

Kassner reclama, porém, que até agora suas sugestões não foram retiradas do papel pelo governo. Entre as propostas do pepista está o plantio de arnica para acabar com o matagal, principalmente, nas proximidades das ciclovias.

“Temos nos dois hospitais, na WEG, já provou que dá certo, não precisa nem fazer teste. Dá uma flor amarela e não deixa crescer mato”, explica.

Outra sugestão é a descentralização a Secretaria de Obras, projeto que acredita será executado pelo prefeito Antídio Lunelli.

Apoio à Dieter Janssen

Crítico do pedido de intervenção militar feito por alguns colegas, Kassner defende que é no voto que o eleitor pode mudar o Brasil.

Na corrida à Assembleia Legislativa, disse que trabalhará pelo correligionário e ex-prefeito de Jaraguá do Sul, Dieter Janssen. “Ele é uma pessoa de ficha limpa, não tem processo e nem nada, na política isso é para poucos. Acredito nele, uma pessoa humilde, da comunidade”, justifica.

Na corrida presidencial, o presidente da Câmara ainda não definiu o nome. Diz que tem acompanhado as propostas dos pré-candidatos e que até agora simpatiza com as ideiasde Álvaro Dias, do Podemos.

Quer receber as notícias no WhatsApp?