Foto Renan Reitz/OCP News
Foto Renan Reitz/OCP News

O braço engessado de Kaue Daniel Hannig denunciava que o garoto andou tendo problemas antes mesmo do início das férias.

Uma queda de bicicleta deu de “presente” um gesso que deve permanecer por alguns dias até que ele esteja pronto para a próxima. Aguardando na sala de espera do Hospital Jaraguá, o menino de 10 anos foi surpreendido.

Barba branca, cabelo branco, roupas e chapéu vermelho e, nas mãos, doces e brinquedos. O Papai Noel levou alegria, na manhã de quinta-feira (20), às crianças que estavam na unidade e, para Kaue, além do desejo de melhoras, um boneco do Batman. “Eu me comportei durante o ano sim, o braço foi um acidente”, garantiu.

Para a mãe, Kaliny Hannig, 21 anos, a presença do “bom velhinho” é importante uma vez que devolve a magia do Natal em um período no qual o distanciamento causado pelas facilidades tecnológicas tem atingido até mesmo a relação entre crianças e o Papai Noel.

“Eu acho muito importante porque no mundo que temos hoje, não há mais esse contato, parece que ver do outro lado da tela basta e trazê-lo aqui é muito importante, especialmente para as mais pequenas que demonstram o encantamento com o olhar”, disse.

Para o bom velhinho, que já leva a alegria do Natal há nove anos às crianças jaraguaenses no Jaraguá do Sul Park Shopping, a diferença que existe entre as crianças que o visitam fora do hospital e as que estão hospitalizadas é capaz de gerar uma reflexão até no próprio Papai Noel, que vê a necessidade de reavaliar a doação de tempo e amor ao próximo.

Foto Renan Reitz/OCP News

“Você começa a avaliar o que é o amor, o doar e você percebe que o ato de doar uma bala, um doce, se traduz, para elas, no gosto do amor e da preocupação”, destaca.

Alegria em momentos difíceis

Com o pirulito em uma mão e a boneca em outra, Maria Gabriely Martins Veloso, de 7 anos, deixava as lágrimas caírem, mas não eram de emoção. Enquanto o curativo era feito na perna direita, o Papai Noel chegou e levou um pouco mais de felicidade para a garotinha que se recupera de uma cirurgia.

Apesar de já ter escolhido o nome “Barbie” para a boneca, Maria Gabriely deixou bem claro para a mãe que a felicidade do momento era apenas pelo presente. “Não estou nem um pouco feliz. Com o presente sim, mas com os pontos não”, tratou logo de esclarecer.

Foto Renan Reitz/OCP News

A visita do Papai Noel emocionou Jeane de Carvalho. A mãe de Thalita, que é uma das duas crianças residentes do hospital, não se furtou em abraçar e agradecer a visita, mesmo que o Natal não seja uma das datas preferidas da mãe, que tem motivos para isso.

“Não sou muito fã do Natal por ela [Thalita] que não vive ele como um todo. É muito importante pra mim, como mãe. Sempre que eu passava pelo shopping e via as crianças sentadas conversando com ele, imaginava e sabia que ela não teria como ter esse momento e hoje eu vi que ela se emocionou. Não tenho muito o que dizer, apenas agradecer porque, por mais que ele seja um símbolo apenas, toda criança tem isso e ela não tinha”, disse.

A ação que levou o Papai Noel para visitar as 21 crianças internadas – 10 delas na UTI (Unidade de Tratamento Intensivo) – e aquelas que recebiam atendimento foi desenvolvida em parceria entre o shopping e o hospital, com o objetivo de oportunizar o encontro entre elas e um pedacinho da magia do Natal.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?