A movimentação de obras na Estrada Bananal, em Guaramirim, no Norte catarinense, é animadora para os moradores, comerciantes e motoristas que circulam pelo trecho. A pavimentação é um dos pedidos mais antigos da comunidade, que vem crescendo significativamente nos últimos anos. A obra compreende cerca de 2,3 quilômetros, sendo 280 metros na Estrada Tibagi, próximo à empresa Mauriglass, e mais dois quilômetros da Estrada Bananal, seguindo até a Ponte do Trabalhador, que liga o bairro a Guamiranga. O valor de investimento está estimado em R$ 1,5 milhão, provenientes de financiamento com o Badesc (Agência de Fomento de Santa Catarina). De acordo com o secretário de Infraestrutura e Planejamento, Jiuvani Assing, os serviços iniciaram na semana passada e devem ser concluídos no mês de setembro. “Estamos na fase do recapeamento porque a base asfáltica já tinha sido feita”, observa Assing. Há seis anos, a moradora Nilcéia Rodrigues estava na expectativa sobre o início da obra. “Meu primeiro filho tinha acabado de nascer. A situação é complicada porque convivemos diariamente com uma grande quantidade de poeira, tanto na rua como dentro de casa”, salienta Nilcéia. Os buracos são outro problema constante para quem transita pela estrada. Para a comerciante Francieli Fronstok, o estado da rua fica ainda pior nos períodos de chuva, quando a patrola não passa pelo trecho. “A pavimentação vai facilitar muito a nossa locomoção e melhorar a própria qualidade de vida”, avalia a comerciante. Além da melhoria aos moradores, o secretário enfatiza a importância da obra para o escoamento da produção agrícola local e transporte das indústrias que estão instaladas no bairro. Leia mais: Pavimentação da Estrada Bananal do Sul custará R$ 469 mil  PROJETO AINDA PRECISA DE RECURSOS No ano passado, um quilômetro da Estrada Bananal, a partir do acesso na Ponte do Zindars, foi asfaltado. Agora, o trecho entre as duas obras, outros 7,6 quilômetros entre a ponte do Trabalhador e o bar do Opa, precisam de recursos. Um levantamento topográfico feito pela Prefeitura de Guaramirim deve ser encaminhado ao BRDE (Banco de Desenvolvimento da Região Sul), responsável pela regulamentação e aprovação para liberação dos repasses. De acordo com o prefeito, Luís Chiodini, o projeto está avaliado em aproximadamente R$ 14 milhões. No entanto, com o apoio de empresas parceiras, a administração busca reduzir o investimento para pelo menos R$ 10 milhões. O recurso vem do Fundo de Apoio aos Municípios (Fundam) e programa Avançar Cidades. Chiodini ressalta que o trecho deve conter ainda dois metros de calçada e ciclovia, além de iluminação e sinalização. “É uma área que será 90% residencial, necessitando dessa estrutura para a segurança da população. Para o abastecimento das empresas o asfalto também será de suma importância”, completa.