E o primeiro ano de um novo século se completa. Neste dia 10 de maio, o jornal O Correio do Povo completa 101 anos de história ou melhor, 100+1.

Mais antigo em circulação no estado de Santa Catarina, o jornal OCP, que integra a Rede OCP de Comunicação, se renova a cada dia para mais cem anos de vida, mas sem esquecer do seu rico passado.

Um passado que começou em 10 de maio de 1919, por iniciativa dos sócios Venâncio da Silva Porto e Arthur Müller.

Naquele ano, a população da cidade de Jaraguá, que ainda era distrito de Joinville, beirava cerca de 9 mil habitantes.

A base econômica da pequena localidade era sustentada basicamente na agropecuária, agricultura, fábricas de moinhos de farinha, milho, mandioca, e também em serviços, como serrarias, padarias e alfaiates.

De lá para cá, a cidade cresceu e continua crescendo com o trabalho e esforço dos seus habitantes e, desde a sua fundação, o OCP sempre esteve presente, contribuindo para esse crescimento.

Muito mais do que informar, o OCP tem também um compromisso em ser um membro ativo da comunidade.

Em suas páginas, jaraguaenses e moradores de toda a região têm um espaço para que suas histórias sejam contadas, narradas em todas as suas alegrias ou dificuldades.

Relação com a comunidade mais forte do que nunca

Mais do que nunca, o OCP segue incansável na sua missão de informar e conectar a comunidade com os fatos que têm impacto na vida das pessoas: fatos que, aliás, podem mudar para sempre suas histórias.

O envolvimento do jornal com Jaraguá do Sul e região sempre foi além do ato de informar, atuando também como um membro da comunidade.

Nesse sentido, o OCP sempre deu espaço em suas páginas para contar a história daqueles que, por acasos da vida, enfrentam momentos de dificuldade, mas sem perder as esperanças.

“Somos um veículo de comunicação que tem em sua essência um forte vínculo comunitário", garante o presidente da Rede OCP Walter Janssen Neto

Um jornal capaz de fazer a diferença na vida das pessoas, destaca Walter Janssen Neto | Foto Arquivo OCP News

"Temos plena consciência de que a dimensão de nossa audiência, aliada ao nosso senso de solidariedade e cooperação, pode fazer a diferença na vida de muitas pessoas” completa Janssen Neto.

Histórias que passam pelas páginas do OCP

Refugiado encontra uma nova chance em Jaraguá do Sul

A história de Djems Lezin é uma dessas capazes de provar que, com solidariedade, é possível superar os obstáculos da vida.

Aos 29 anos, o haitiano Djems Lezin chegava a Jaraguá do Sul, em setembro do ano passado.

Antes, ele havia morado em Xanxerê e Florianópolis, depois de deixar o Haiti em 2013, após uma série de desastres naturais e conflitos armados em seu país natal.

Em novembro de 2019, o OCP publicava no jornal impresso e no portal OCP.NEWS uma matéria contando a história de Lezin no município.

Djems Lezin recebeu ajuda de diversos jaraguenses para conseguir uma nova chance | Foto Arquivo/OCP News

Com um filho pequeno na Paraíba para ajudar a sustentar, o haitiano tentava na época juntar dinheiro vendendo paçoca e amendoim pela cidade.

Aqui, o refugiado buscava oportunidades para tentar uma vida melhor e o seu principal objetivo era fazer a faculdade de direito.

Apenas um dia após a publicação da matéria, Lezin recebeu a ajuda de diversos jaraguaenses, que se comoveram com a situação.

Além de móveis para a casa e alimentos, o haitiano também foi presenteado com uma bolsa de estudos para realizar seu sonho de estudar.

A bolsa para a graduação em direito foi concedida pela Católica de SC.

Itamar B. Rossi, administrador do Campus da Católica SC em Jaraguá do Sul; Caroline D. B. Castilho -,Coordenadora do curso de Direito; Djems Lezin e o Reitor Diogo Richartz Benke | Foto Divulgação

Quando soube que havia recebido a bolsa, o haitiano não conseguiu esconder a emoção e surpresa.

"Desde que saiu a matéria, as pessoas têm sido bem mais receptivas comigo, falam que me conhecem e mostram um bom coração. Consegui voltar a sorrir", disse Lezin.

Ajudar a quem também ajuda faz parte do papel do OCP

Assim como o OCP dá espaço para quem precisa de ajuda, o jornal também apoia quem busca fazer o mesmo pelo próximo, incluindo quem atua pela causa animal.

Em outubro do ano passado, a protetora de animais Rutinha, de Schroeder, resgatou uma cachorrinha que havia sido atropelada e abandonada nas ruas do município.

Foto Reprodução Video

Um exame de raio-x na época mostrou que a cachorrinha Princesa estava machucada há bastante tempo e uma cirurgia seria necessária para alinhar sua coluna e descomprimir a medula, lesionada pelo acidente.

O procedimento e também a internação e as medicações custariam cerca de R$ 3 mil, valor alto demais para a protetora. Por isso, uma vaquinha online foi providenciada e divulgada pelo OCP.

Cerca de dois meses depois, a vaquinha conseguiu arrecadar mais de R$ 1 mil, que foram entregues à clínica veterinária que tratou da Princesa.

Foto Divulgação

A campanha continuou, para que a cachorrinha pudesse receber os tratamentos complementares, vacina e castração.

A atitude da protetora mostra que, com a ajuda e solidariedade do próximo, é possível mudar uma vida – qualquer vida – para melhor.

O amor por um filho compartilhado por todos

Por uma boa causa, quantos mais aliados, melhor.

No fim de outubro de 2019, a Studio FM e o jornal OCP divulgavam uma campanha realizada por jaraguaenses, que buscava recursos para a compra de uma cadeira de rodas especial.

Especial porque, além de ser adaptada para atender a necessidades específicas, seria destinada ao pequeno Pietro Rafael da Silva, na época com dois anos de idade.

Foto Arquivo Pessoal

A mãe do menino, Helizabete Wengratt da Silva, contava que Pietro nasceu de apenas 27 semanas, quando o normal é entre 40 e 42 semanas. O nascimento prematuro acarretou em diversos problemas no seu desenvolvimento.

Para dar mais qualidade de vida ao menino, a família precisava adquirir uma cadeira de rodas feita sob medida para Pietro, para que ele pudesse ficar sentado. Mas, o preço era elevado: 20 mil reais.

A saída foi iniciar uma campanha, que contou com a divulgação da imprensa local, e é claro que o OCP fez parte dessa mobilização.

O jornal publicou a matéria da campanha e pouco mais de um mês depois teve a felicidade de noticiar que a família havia conseguido arrecadar o valor necessário.

Foram diversas doações da comunidade com pequenos valores, além de itens que Pietro necessitava, como fraldas.

Uma doação em especial acabou encerrando a campanha muito antes do esperado, com o valor de R$ 10 mil.

De um momento doloroso para a recuperação total

"Desde o dia que recebi a ligação da repórter para fazer a matéria contando minha situação, ali já começou a mudar tudo". É assim que a recepcionista Lisiane Aparecida Guimarães Elisio começa a relembrar um dos momentos mais difíceis de sua vida.

Foto Arquivo Pessoal

No ano passado, Lisiane começou a fazer fisioterapia e tomar medicação para tratar um problema que ainda não sabia qual era.

Foi então que com a ajuda financeira de uma amiga, a recepcionista descobriu que estava com hérnia de disco e que o único tratamento que poderia lhe ajudar era a cirurgia.

Mas, o procedimento custava cerca de R$ 10 mil, um custo que Lisiane, sozinha, não tinha como arcar. Assim como as outras histórias contadas aqui pelo OCP, a recepcionista acabou procurando na comunidade, criando uma vaquinha online.

E a campanha foi divulgada pelo jornal, em maio do ano passado, escrita pela repórter Dielin da Silva.

"A princípio eu estava fazendo a divulgação com o colégio, com os professores, a família e amigos mais próximos. Foi uma ajuda enorme, para mim, uma benção", conta Lisiane.

Lisiane se preparando para a cirurgia, já no hospital | Foto Arquivo Pessoal

A recepcionista conseguiu arrecadar a quantia que precisava, contando também com uma grande doação de um empresário da cidade, que prefere não se identificar.

A ajuda cobriu não apenas a cirurgia, mas também a fisioterapia e medicamentos para o tratamento. E toda a ajuda recebida deu certo.

"Hoje em dia estou ótima. Não posso carregar peso, não posso fazer força, mas estou andando normal, a recuperação foi total, não sinto dor, quanto a isso não posso reclamar nada. E voltei a trabalhar depois de três meses parada", ela relata.

"Hoje estou 100% recuperada", diz Lisiane | Foto Arquivo Pessoal

"Eu agradeço o OCP pela divulgação, pela Dielin que veio fazer a reportagem e grata a toda a comunidade que me ajudou, fico muito feliz e hoje estou maravilhosamente bem por causa da ajuda de todos", agradece.

 

Veja a reportagem da OCP TV sobre os 101 anos do jornal O Correio do Povo:

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp

Telegram Jaraguá do Sul