Uma fivela encontrada na Fortaleza de Santa Cruz de Anhatomirim, em uma ação de limpeza realizada em setembro de 2021, é uma peça histórica que pode ter mais de 110 anos.

O acessório passou a fazer parte do uniforme dos praças do Corpo de Fuzileiros Navais por força de decreto instituído em 1908, conforme informou a Marinha do Brasil após consulta da Coordenadoria das Fortalezas da Ilha de Santa Catarina (CFISC), da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

 

 

A fivela foi encontrada por voluntários que recolhiam lixo na Ilha de Anhatomirim, em Governador Celso Ramos. O local que foi ocupado por contingentes da Marinha do Brasil de 1907 até meados de 1950.

De acordo com a Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha (DPHDM), esse modelo de fivela foi utilizado como parte do uniforme das praças do Batalhão Naval (1908-1924) ou do Regimento Naval (1924-1932).

Essas duas organizações deram origem, após 1932, ao atual Corpo de Fuzileiros Navais.

A fivela encontrada em Anhatomirim traz a grafia “Marinha Brazileira”, com "z", como era usual à época. Porém o regulamento que instituiu o uso do acessório pelas praças, no início do século XX, informava que a inscrição na peça deveria ser “Armada Brazileira” e não “Marinha Brazileira”.

O Decreto nº 6.954, de 21 de maio de 1908, foi assinado pelo então presidente da República, Affonso Penna.

Fonte: UFSC

 

Receba as notícias do OCP no seu aplicativo de mensagens favorito:

WhatsApp