Pela primeira vez na História, os Estados Unidos largaram a sua bomba não nuclear mais potente, que vinha sendo prepara há mais de uma década. O ataque foi sobre as cavernas usadas pelo grupo jihadista Daesh na província afegã de Nangarhar, na fronteira com o Paquistão, às 11h30 desta quinta-feira, pelo horário de Brasília, e 19h locais. A notícia foi publicada pela primeira vez pela rede CNN e já confirmada pelo porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer. Na conferência de imprensa diária, o porta-voz precisou que a bomba lançada foi uma GBU-43, também conhecida como MOAB (iniciais de Mother Of All Bombs, ou "mãe de todas as bombas). O responsável não deu muitos pormenores e disse que o presidente dos EUA, Donald Trump, poderá falar mais tarde sobre o ocorrido. A bomba é uma GBU-43, com mais de 11 toneladas de explosivos. Foi desenvolvida durante a guerra do Iraque, iniciada em 2003, e testada na Flórida.
A bomba foi lançada por um avião MC-130, operado pelo Comando de Forças Especiais da Força Aérea, disse o porta-voz do Pentágono, Adam Stump.

"Os Estados Unidos levam muito a sério a luta contra o Estado Islâmico e, para destruir o grupo, temos que tirar espaço de operação dele, que foi o que fizemos", disse o porta-voz da Casa Branca, Sean Spicer, acrescentando que mais detalhes seriam dados pelo Departamento de Defesa.

Os militares estão atualmente avaliando os danos causados. A bomba foi desenvolvida durante a Guerra do Iraque e havia sido utilizada apenas em testes realizados pela Força Aérea em 2003.