Vou primeiro transcrever a manchete do jornal e depois puxar a cortina para conversar, especialmente, com os jovens, com os pais deles ou com quem quer que seja que tenha miolos... A manchete, típica deste momento por que passamos, diz que: - “Depressão entre jovens aumenta, e detectá-la se torna desafio”. De onde vem essa escalada da depressão entre jovens, se a juventude é o reverso da depressão, da crista baixa? Essa “depressão” vem das modernidades. O jovem que não for estúpido, que não se juntar à fila sem fim dos babacas vai ficar marginalizado, sentindo-se, se não tiver sido educado, um nada, um parasita. Se o jovem não falar a linguagem vulgar da Internet, das redes sociais, se não estiver nas baladas promíscuas, se ela não for uma leviana dos selfies ridículos, se ele não for existencialmente um molambento, se for pessoa atenta aos melhores valores da vida, se for educada, enfim, estará fora dos padrões dominantes entre os jovens que nós bem conhecemos. E não vamos longe, um político que não seja um predisposto à propina, um dissimulado, um trapaceiro, ah, estará fora de se reeleger se no primeiro momento ganhou uma eleição. Claro que o povão tem culpa nisso, afinal, não haverá corrupção, safadeza de nenhum tipo, se o povo for correto. Mas aonde anda esse povo? Você viu que nos dias em que os PMs de Vitória estiveram fora das ruas, muita gente do povo “honesto” quebrou vitrinas, saqueou lojas, pintou e bordou, pessoas “honestas”... até àquele momento... Quanto aos jovens, vivo dizendo a eles nas minhas palestras, especialmente aos mais pobres, que eles poderão ser o que quiserem na vida se estudarem, não para apenas ganhar notas na escola, mas para saber, para crescer, para terem um cabeça que não se vai curvar a qualquer “doutorzinho” suspeito... Se o jovem atinar para a importância de “respeitar o seu corpo”, se tiver boa educação no trato com as pessoas, se for, enfim, confiável, ah, queridíssimos, ninguém o poderá obstar qualquer sonho ou possibilidades na vida. E qual o jovem que não pode seguir essa cartilha? Agora, andar por aí o dia todo com um celular estúpido na palma da mão, tomar o café da manhã, almoçar, jantar, e ir dormir com o celular ligado ao lado da cama, senão debaixo do travesseiro, é coisa para os estúpidos, que irão, sem dúvida, cair na depressão. Maioria. Não se queixem. Comum É comum o marido voltar do trabalho para casa feliz, afinal, ouviu coisas boas, foi bem tratado e até conseguiu algo por que lutava há algum tempo mas... a mulher lhe coloca uma pedrinha no caminho, tirando do sujeito a pequena felicidade de que estava possuído. Ou então ele faz isso com ela. Muito comum. Insensibilidade e inveja, subconsciente, mas... é duro. Falta dizer Voltando ao assunto aí de cima, lembro de uma feita em que eu estava soltando foguetes de tão feliz por uma escala de jogo na Rádio Gaúcha, eu era narrador de futebol. Um colega chega e me diz: “Te segura, felicidade não dura”. Credo, baita invejoso.