O Brasil é reconhecido internacionalmente por seu amplo programa de imunização, que disponibiliza vacinas gratuitamente à população por meio do Sistema Único de Saúde (SUS). Durante a pandemia, muitos municípios tem registrado queda no número de imunizações de rotina realizadas nas Unidades de Saúde. Em Criciúma, o problema não tem ocorrido.

Segundo a técnica de enfermagem do setor de imunização da prefeitura de Criciúma, Kelly Barp Zanette, o número de vacinações segue sem queda no município. "Existem alguns problemas pontuais quando, por exemplo, alguma unidade de saúde precisa fechar a sala de vacinação pela contaminação de algum profissional, ou pelo contato com contaminados pela Covid-19, mas fora essas exceções, temos nos desdobrado para manter as vacinas de rotina em dia", contou.

Ainda segundo a técnica, alguns munícipes enfrentam dificuldades para chegar as unidades por conta da suspensão do transporte coletivo. "Esse também é um problema enfrentado, mas nos tentamos sempre fazer uma logística para garantir que essas pessoas sejam imunizadas. Sabemos que não existe grande queda nas vacinações pelos pedidos que recebemos de cada unidade", ressaltou Kelly.

Durante a pandemia, as unidades de saúde tem adotado novos formatos de atendimento para dividir, em cada período do dia, os atendimentos entre os rotineiros e os suspeitos da Covid-19. A responsável pelo setor de imunização reforça a importância de fazer contato com a unidade do seu bairro para checar os melhores horários para ir até o local.

Preocupação nacional

Com o objetivo de conscientizar especialistas e o público em geral sobre a importância de não postergar a vacinação por causa do novo coronavírus, a Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm), em parceria com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP) e o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) realizou a campanha “Vacinação em dia, mesmo na pandemia”.

A iniciativa tem como destaque a cartilha digital "Pandemia da COVID-19: o que muda na rotina das imunizações", que contém orientações sobre como manter as atividades de vacinação durante o período e estratégias de comunicação com população. Clique e confira a cartilha na íntegra.