A Prefeitura de Florianópolis publicou nesta quarta-feira (27) um decreto definindo as regras e as diretrizes para adoção do passaporte da vacinação e a implantação do selo “local seguro”, que começam a valer a partir de 16 de novembro.

Um grupo de manifestantes se reuniu na frente do prédio da prefeitura na tarde desta quarta, para protestar contra a medida. A reclamação é sobre o “controle social” que o documento pode provocar.

 

Manifestantes protestaram na frente da prefeitura | Foto Divulgação/Daniel Carvalho

 

Para assegurar a implantação das medidas, o prefeito da Capital, Gean Loureiro (DEM) usou sua conta nbo Twitter para confirmar a medida.

O Passaporte da Vacina vai exigir duas doses de vacinas para pessoas com mais de 18 anos, e primeira dose para pessoas de 12 a 17 anos nos estabelecimentos e serviços pertencentes ao setor de eventos, tais como shows, feiras, congressos e jogos, com público superior a 500 pessoas.

 

Reprodução/Twitter

 

Para os espaços onde não há público superior a 500 pessoas, é sugerido pelo município que os comerciantes adotem o selo “local seguro”. A medida incentiva à população a frequentar ambientes de pessoas já vacinadas, uma vez que grande parte da população demonstra interesse pela medida.

A afirmação é comprovada no alto número de vacinação na Capital. Nesta quarta-feira, mais de 72% da população total da Capital e mais de 90% da população adulta estão com esquema vacinal completo.

“O passaporte da vacinação é muito mais do que apenas uma medida, é o incentivo de algo que já sabemos, cientificamente, que dá certo. Chegou o momento de retomarmos nossa economia, mas devemos fazer isso com responsabilidade pessoal e coletiva e como gestor que se vacinou, e vacinou seus filhos, acredito que esta ação é muito importante para todos”, comenta o prefeito Gean Loureiro.

Comprovação da vacinação

 

Para comprovação do esquema vacinal completo, o cliente deve apresentar comprovante de vacinação por meio do aplicativo “Conecte SUS”, ou plataformas integradas à sua base de dados. Serão aceitos também, cadernetas ou cartão de vacinação impresso em papel timbrado emitido pela Secretaria Municipal de Saúde ou outras instituições governamentais nacionais ou estrangeiras que contenha registro de aplicação de duas doses, ou dose única.

As fiscalizações das medidas serão feitas pela Vigilância Sanitária Municipal, que já vem fazendo ações para orientar estabelecimentos sobre a importância da vacinação e das medidas sanitárias vigentes.