Todos agora podem dizer: Jaraguá do Sul foi oficialmente representada nas Olimpíadas de Tóquio.

O feito inédito pôde ser visto na noite de sábado (31), quando Simone Ponte Ferraz entrou na pista do Estádio Olímpico para disputar o 3.000m com obstáculos.

Em uma prova dura, com atletas do mais alto nível, a jaraguaense tinha o objetivo de superar sua melhor marca pessoal na carreira, que era de 9min45s.

Mas a alta temperatura que chegou a bater os 38 graus durante a prova acabou dificultando a meta da atleta de 31 anos, que cruzou a linha de chegada em 14° lugar da primeira bateria da semifinal, com o tempo de 10min00s92.

Foto: Wagner Carmo/CBAt

“Eu larguei na série mais forte, com atletas de renome que já foram campeãs mundiais e olímpicas. Esperava que a largada fosse mais fraca para que eu pudesse me desenvolver ao longo da prova, mas foi muito forte e não consegui acompanhar o grupo e o calor estava fora do normal. Infelizmente não acertei a corrida, mas estou muito feliz e com sensação de missão cumprida. Chegar numa Olímpiada em uma prova desse nível e conseguir competir com essa mulherada me torna grande como elas”, avaliou.

Com isso, Simone se despediu nessa que foi sua estreia em Jogos Olímpicos. Para chegar à final, era necessário ficar entre as três primeiras colocações da bateria ou obter um dos seis melhores tempos gerais da prova. Das 42 competidoras, a corredora da APA/Secel terminou na 38ª posição geral.

“Pra mim que sou uma atleta, vamos dizer assim, estranha, desconhecida, estou muito feliz por estar nos Jogos Olímpicos porque eu fui até o último minuto pra conquistar essa vaga”, completou.

Foto: Matthias Hangst/Getty Images

E engana-se quem pensa que Simone esgotou seus objetivos com a ida para Tóquio. Ela desembarca em Jaraguá do Sul nesta sexta-feira (6) para dar início a outro sonho: estar nas Olimpíadas de Paris, em 2024.

“Meu objetivo agora é voltar para casa, acertar os treinos, porque tenho certeza que em Paris 2024 vou fazer muito melhor. Volto com cabeça erguida e tenho potencial de chegar lá”, declarou.

"Paris é logo ali. Quero estar muito mais preparada em Paris, daqui a três anos, porque, na verdade, eu estava fazendo uma periodização para representar o Brasil na maratona, e infelizmente, em virtude da pandemia, fui para os 3.000 com obstáculos [...]. Então agora, tenho tempo pra lapidar, e podem ter certeza que vocês vão ouvir o nome de Simone Ponte Ferraz muitas vezes, se Deus quiser, nos jogos de Paris”, finalizou.