Os atletas brasileiros que vão para as Olimpíadas e Paralimpíadas de Tóquio 2021 não terão preferência de vacinação contra Covid-19 antes de disputarem os eventos.

A emenda proposta pela ex-jogadora de vôlei e hoje senadora do Partido Socialista Brasileiro (PSB) pelo Distrito Federal, Leila Barros, sequer foi votada em sessão no Senado Federal, em Brasília.

Leila Barros | Foto: Jane de Araújo/Agência Senado

O relator do Projeto de Lei que autoriza o Poder Executivo Federal a aderir o acesso global de vacinas, o Covax Facility, Confúcio Moura (MDB), não colocou a votação em pauta, o que determina a rejeição da proposta.

Cerca de 450 pessoas, entre atletas, membros da comissão técnica e staff, vão representar o Brasil nas Olimpíadas, enquanto nas Paralimpíadas, devem ir mais 400 pessoas.