O novo trabalho iniciado há dois anos no atletismo de Jaraguá do Sul vem gerando frutos cada vez mais notórios para cidade.

Com um corpo maior de professores e uma estrutura referência no estado, a equipe jaraguaense desfruta de um bom momento, em que volta a figurar até em competições a nível internacional.

E neste cenário, um nome com grande bagagem no esporte pode ajudar a levar o município a grandes feitos dentro e fora de Santa Catarina.

Natural de Osório-RS, o multicampeão como atleta, Abel Curtinove, de 27 anos, chegou ao norte catarinense através do Bolsa Técnico da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, e, ao lado dos treinadores Ezequiel Emerson Wagner e Cleberson Wagner, faz um trabalho de evolução do atletismo da cidade.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Mais do que isso. Após passar pelas tradicionais Sogipa-RS e Pinheiros-SP, Curtinove tem sua presença como inspiração aos jovens atletas, que buscam o sucesso nas pistas.

E há motivos de sobra para isso. Afinal, o gaúcho ocupa o posto entre os três melhores atletas do salto com vara no país, atrás apenas do atual campeão olímpico Thiago Braz, e Augusto Dutra, outro que esteve nos Jogos do Rio 2016.

“Os atletas estão vendo que o que eu faço não é diferente do que passo para eles e a minha presença traz uma questão importante de motivação. Essa troca de experiência ajuda muito os novatos e dá direção aos mais experientes que estão se encaminhando”, destaca.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Mesmo representando Blumenau em competições, Curtinove vive uma rotina diária em Jaraguá. Além dos treinos como atleta de segunda a sábado, em dois períodos, ele trabalha juntamente com Cleber e Ezequiel na escolinha de atletismo, que acontece no Centro Esportivo Murillo Barreto de Azevedo.

Ainda comanda os atletas das equipes de salto (distância, triplo e altura), e algumas provas de fundo mais longas, como 5.000m, 10.000m e marcha atlética.

“Estou gostando muito dessa nova rotina. Já tive a experiência na Sogipa de dar e ter treino. Aqui está sendo muito parecido e a adaptação está sendo tranquila”, comenta.

Curtinove é um dos treinadores da escolinha de atletismo | Foto Eduardo Montecino/OCP News

Mas o foco não se baseia somente na revelação de novos talentos. Para Abel, o principal objetivo no momento é manter a garotada em atividade no esporte. Segundo ele, muitos atletas se dissipam rapidamente, o que acaba acarretando na perda de possíveis potenciais no atletismo jaraguaense.

“Espero que com os meus resultados e minha visibilidade no esporte ajude a fazer com que essas crianças tenham uma referência na cidade e fiquem mais tempo no esporte”, declara.

Para isso, a parceria com faculdades é um ponto fundamental para o projeto. “Vejo a equipe se estruturando e podendo se tornar muito forte.

Mesmo com pouco tempo, já está entre as melhores de Santa Catarina. Então o trabalho é eficiente e se continuar nesse ritmo podemos ser uma equipe referência no Estado", completa.

Sonho: Olimpíadas

Seja como técnico ou atleta, Abel Curtinove carrega o mesmo sonho: chegar as Olimpíadas. Com a trajetória como comandante mais curta, ele vê a possibilidade mais palpável de representar o país no maior evento poliesportivo do mundo, como atleta. E não como uma meta distante, mas sim a curto prazo.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Atual vice-campeão brasileiro no salto com vara, perdendo apenas para Thiago Braz, o agora jaraguaense fez sua melhor marca pessoal no último fim de semana, com 5,42m.

Esta foi a sexta melhor marca da história do país, que o coloca como um dos principais atletas da América do Sul e com boa chance de ser convocado para o Pan-Americano.

Porém, Curtinove pode esbarrar na principal dificuldade de muitos brasileiros no esporte: a falta de poder de investimento.

Foto Eduardo Montecino/OCP News

Com suas próprias varas, ele pode atingir no máximo 5,60m, marca que pretende alcançar em breve. Porém, para atingir o índice olímpico que é de 5,70m,  seria necessário a compra de duas a três varas novas, que giram em torno de R$ 7,5 mil cada.

“Como atleta acho que é uma questão de tempo de ir para Olimpíadas. Mas preciso de um investimento de cerca R$ 21 mil para esse meu sonho. Acredito que posso ir para Tóquio em 2020, mas talvez o que me impeça é a falta de material”, finaliza.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?