Um dos grandes nomes da história do futebol brasileiro, Romário teve bens penhorados pela Justiça por conta de uma dívida com Dunga.

A polêmica começou em 2016, quando o ex-treinador da seleção brasileira acionou a Comissão de Ética e Decoro Parlamentar do Senado alegando que estava sendo alvo de ofensas por parte do ‘Baixinho’.

Segundo Dunga, o atual senador afirmou que a convocação da seleção estava girando em torno de interesses comerciais na época em que ainda comandava a Amarelinha.

“Os problemas são refletidos nas convocações. Dunga é meu amigo, mas não é a sua hora. Não se convoca mais os melhores, há interesses por trás. O diretor é Gilmar Rinaldi, que, até um dia antes de sua nomeação, era um agente de jogadores. Uma provocação! Você viu a convocação? Todos pertencem aos empresários que lucram com convocações. É evidente para todos”, declarou Romário em entrevista ao Gazzetta dello Sport.

A atitude fez o ex-atacante entrar com um processo de R$ 500 mil por danos morais, mas o pedido foi negado. Com isso, Justiça entende que Romário precisa pagar R$ 93,2 mil para arcar com as despesas de Dunga com advogados.

O ‘Baixinho’ chegou a recorrer da decisão três vezes, mas perdeu todas, e como não apresentou formas de pagamento, o juiz Flávio Augusto Leite decidiu pela penhora de bens do senador.