Se o que o torcedor joinvilense esperava era emoção, ela veio e de sobra nas quartas de final da Libertadores de Futsal. Primeiro colocado do grupo, o JEC/Krona voltou a enfrentar o Caracas, da Venezuela, e sobrou equilíbrio. A vaga nas semifinais só foi decidida nos pênaltis. E, para não restar dúvida de que o confronto foi emocionante, o Joinville só conseguiu respirar aliviado na última cobrança. Resultado: vaga assegurada no sufoco. Empatado em 3 a 3 no tempo normal, sem gols na prorrogação, o jeito foi decidir nos pênaltis e a estrela de Willian brilhou. Com duas defesas, o goleiro joinvilense garantiu o Tricolor na próxima fase. A última cobrança, que sacramentou a vitória do JEC saiu dos pés de Bruno. Antes dele, Eka, Leandro Caires, Genaro e Thiaguinho marcaram para o time de Vander Iacovino. Leco chutou pra fora. Muito diferente da primeira partida, quando o Joinville venceu com facilidade, por 5 a 2, o jogo desta quinta-feira (26), foi marcado pelo equilíbrio, embora o Joinville tenha marcado já no início da partida. O cronômetro havia rodado pouco mais de um minuto até que a bola balançasse a rede do time venezuelano. Leco recebeu na segunda trave e abriu o placar. Sem tempo para comemorar, a equipe comandada pelo técnico Vander Iacovino viu o adversário empatar no minuto seguinte. Após chute de Jimenez na trave, o goleiro Willian defendeu em cima da linha, mas a arbitragem validou o gol do Caracas. Leco, o nome do primeiro tempo, mostrou porque tem uma carreira vencedora. Aos 13 minutos, o fixo aproveitou um rebote da defesa venezuelana após chute de Thiaguinho e, com o goleiro no chão, Leco só precisou finalizar e garantir a vantagem do JEC. Ainda no primeiro tempo, Leandro Caires ampliou com belo chute. Ainda mais equilibrado, o segundo tempo começou com o Caracas em busca do empate. Aos 9 minutos, Jimenez, mais uma vez, aproveitou rebote de Willian e diminuiu em chute rasteiro e entre as pernas do goleiro tricolor. Sem conseguir criar chances claras de gol, o Joinville sofreu o empate aos 14 minutos. Michel Peres recebeu e chutou cruzado tirando completamente Willian da jogada. O JEC ainda teve chances de gol, e tentou a vitória utilizando o goleiro-linha, mas não teve jeito e o jogo foi para a prorrogação. Na etapa complementar, embora muito superior, e utilizando o goleiro-linha em boa parte da prorrogação, o Joinville não conseguiu transformar as chances em gol e o jogo teve que ser decidido nos pênaltis. O Joinville volta à quadra no sábado, às 11h, para a disputa de uma das semifinais da competição.