Quem andar pela Rua Coronel Procópio Gomes de Oliveira, no Centro, com certeza vai notar uma construção abandonada, ali nas proximidades do Tebelionato Griesbach. O prédio, já antigo, está com vidros quebrados e algumas paredes foram derrubadas... mas em algum momento da vida você se perguntou o que funcionava antigamente naquele lugar?
Compare com a foto de baixo! Incrível a mudança! (Foto: Renan Reitz/Por Acaso)
A curiosidade bateu aqui e fomos atrás dessa informação. Por volta da década de 1970, o prédio abrigava a Famac, uma grande empresa jaraguaense fundada em 1946 e adquirida em 1971 por Bertha Gertrudes Ilse Goetzke Kohlbach e Heinz Rodolfo Kohlbach, também proprietários da Kohlbach Motores na época.
Dá uma olhada em como era essa rua por volta dos anos 2000! Parece uma via beeem tranquila, diferente da que estamos acostumados a passar, com bastante movimento. (Foto: Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul)
Naquele tempo, a Famac era uma fábrica dedicada à fabricação de máquinas para madeireiras e agricultura. Mais tarde ela foi repassada para familiares Kohlbach e funciona até hoje na cidade de Schroeder; hoje continua sendo uma importante fábrica da região, só que na indústria de moto-bombas hidráulicas.
Um relato bacana que encontramos internet afora foi do historiador Ademir Pfiffer: "Foi nesta indústria que, em 1982, comecei a vida de eletricista e fresador, pois anteriormente fui aluno do Senai, escola que me deu chancela para conquista deste primeiro emprego remunerado, em carteira. Sortinha a minha!", contou Pfiffer.
Estima-se que essa foto tenha sido tirada no início dos anos 1980. (Foto: Arquivo Histórico de Jaraguá do Sul)
Mas aquela estrutura nem sempre abrigou a Famac. Em 1911, o primeiro estabelecimento a se instalar no local foi a serraria e a fundição de ferro e metal do empreendedor jaraguaense José Maximiliano Müller. Em 1946, ele transformou o negócio em Firma Individual José.Muller e CIA. LTDA.
No ano de 1953 ele vendeu o terreno e a estrutura e lá passou a ser a Famac. Os últimos donos da empresa foram os Kohlbach, que adquiriram a fábrica em 1971, e lá funcionou até a década de 1980. Hoje a estrutura ainda pertence à família Kohlbach.
O que há alguns anos parecia uma pacata rua residencial, hoje é uma das principais vias do Centro da cidade. As coisas mudam, galera! (Foto: Claudio Costa)

O que vai acontecer com o prédio?

E qual é o jaraguaense que não tava querendo saber o que vai ser deste prédio no futuro? Segundo os advogados da família Kohlbach, era um processo judicial, entre a empresa e o Samae, que impedia obras no prédio todos esses anos.
Esse processo teve fim no ano passado e os projetos para aquele local são muito legais! Este ano, então, a empresa entrou com pedido de consulta de viabilidade de obra e começou a elaborar um projeto diferentão. A ideia seria a construção de um pequeno shopping no local, construído com o conceito aberto e ao ar livre, com bastante árvores, cafés lojinhas, entre outros detalhes.
Por enquanto tudo está dependendo do setor de patrimônio da Prefeitura, que está avaliando se algum detalhe da estrutura tenha interesse histórico para a cidade. Por enquanto uma parede específica está sendo avaliada, e a empresa está no aguardo dessa resposta.
-

Leia também: