O mês de março deste ano registrou a abertura de 1.241 postos de trabalho formais em Jaraguá do Sul, crescimento de 1.070,75% em relação ao resultado registrado em março do ano passado, quando o mês encerrou com 106 vagas de emprego formais.

O resultado mantém o fluxo positivo aberto com as 828 vagas geradas em janeiro e 1.384 em fevereiro. Com isso, o ano acumula no primeiro trimestre a abertura de 3.453 novos empregos no município.

Foram 4.039 contratações e 2.798 desligamentos no mês. A geração de emprego foi liderada pela indústria: foram 763 postos de trabalho no setor, seguido por serviços, com 401.

Apenas um setor gerou um resultado negativo, a construção civil, com perda de 13 postos. Após resultados fracos, o comércio recuperou força, com abertura de 90 postos de trabalho no mês. A agropoecuária registrou saldo nulo.

Perfil dos contratados

Somente os trabalhadores com ensino fundamental incompleto tiveram perda nos estoques de emprego, com perda de quatro postos. Os maiores saldos entre os trabalhadores com ensino médio completo (773) e o ensino médio incompleto (213), responsáveis por 62,1% e 17,1% das vagas, respectivamente.

A geração foi puxada pelos jovens, com 546 vagas de emprego na faixa dos 18 aos 24 anos, seguidos pela faixa dos 30 aos 39, com geração de 330 postos de trabalho.

Por gênero, os homens tiveram geração levemente mais forte, invertendo o resultado do mês anterior. Foram gerados empregos para 645 homens no mês, contra 596 mulheres.

Apesar de um resultado negativo no mês de dezembro, o município havia encerrado o ano passado com saldo positivo na geração de emprego, recuperando as perdas dos meses mais graves da pandemia e encerrando o ano com a geração de 184 postos de trabalho formais.

Brasil

O Brasil gerou 184.140 postos de trabalho em março deste ano, resultado de 1.608.007 admissões e de 1.423.867 desligamentos de empregos com carteira assinada. Os dados são do Ministério da Economia, parte das Estatísticas Mensais do Emprego Formal, o Novo Caged.

No terceiro mês do ano, os dados apresentam saldo positivo no nível de emprego nos cinco grupamentos de atividades econômicas: serviços, com a criação de 95.553 postos, distribuído principalmente nas atividades da administração pública, defesa e seguridade social, educação, saúde e serviços sociais; indústria geral, que criou 42.150 novos empregos, concentrados na indústria de transformação; construção, saldo positivo de 25.020 postos; comércio, mais 17.986 postos de trabalho gerados; e agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura, que registrou 3.535 novos trabalhadores.