Foto Divulgação
Foto Divulgação

Nos últimos dias, diversas notícias de criminosos que estão sendo mortos por acertos de contas do crime foram publicadas na internet. Coisas como:

  • Homem com 60 passagens é morto em Chapecó
  • Recém-saído do presídio por homicídio e estupro é morto em Blumenau
  • Sequestrador que torturava vítimas é morto em São Paulo
  • Traficante com passagens por ameaça é encontrado boiando em rio

Você observa tudo isso e num primeiro momento até pode ficar horrorizado com “tamanha violência”, mas, se olhar mais a fundo, acaba percebendo que essas mortes eram inevitáveis.

Vejamos: quais as chances de alguém com 60 passagens se recuperar? Quase nulas! O cidadão já está perdido e a tendência é que essa ficha ainda aumente.

Como no mundo do crime a “lei” funciona, encomendou e não pagou é tiro, porrada e bomba, os próprios bandidos estão fazendo uma limpa entre eles.

Por sinal, essas baixas são esperadas, já que sempre que um marginal vai para essa vida, sabe que pode acabar morrendo no enfrentamento com a polícia ou com outros criminosos e, agora, com um cidadão que pode estar armado, devido à facilitação no registro de armas.

Maconha

Essa semana eu assistia na TV Câmara a um embate sobre a legalização da porcaria da maconha.

Enquanto alguns partidos defendiam a liberação através de seus míseros três ou quatro deputados, os demais, que são policiais ou da bancada da segurança, e são muitos, destruíam esses manés que utilizam de argumentos fúteis e inúteis.

O melhor deles eu trago aqui:

"Dizem que liberar as drogas vai diminuir a criminalidade pois estaríamos tratando de legalizar algo que traz dinheiro para as milícias por ser proibido. Oras, o gás, o sinal de internet e a eletricidade são liberados, direitos de todos, e enriquecem a milícia, vocês acham mesmo que liberar a droga vai mudar algo em torno disso? Idiotas!” Palavras de um deputado.

Em resumo, estou gostando de ver esse novo Brasil.

 

Quer receber as notícias no WhatsApp?