Uma grande parte dos brasileiros já recebeu a primeira parcela do 13º salário em novembro. Embora ele possa ser considerado uma espécie de prêmio para muitas pessoas, este recebimento faz parte da sua receita anual e deve receber o mesmo tratamento que o restante do seu dinheiro. Você usaria 100% do seu salário mensal para gastos supérfluos? Com certeza a resposta é não. Com essa reflexão, eu quero propor um uso consciente do seu 13º salário. Vamos pensar na sua aposentadoria?

Aliás, eu particularmente não costumo utilizar o conceito de aposentadoria. Prefiro ver esta etapa como o planejamento da independência financeira. Há vários conceitos para a independência financeira, e um deles é proporcionar um rendimento proveniente do seu patrimônio, onde ele possa suprir o seu custo de vida.

Se o seu patrimônio paga as suas contas, você atingiu a tão esperada independência financeira. Aí podemos explorar ainda mais, onde você pode decidir permanecer no seu trabalho, que remunera o seu tempo, ou quem sabe começar outra carreira, fazer o bem para a sociedade, viajar, e por aí vai.

A Reforma da Previdência acendeu uma luz amarela para a população, que começou a questionar a aposentadoria por meio dos programas do governo. E mais, aqueles que se aposentam e dependem somente do INSS sentem muito a redução de renda. Isso porque o teto da previdência social pode ficar muito abaixo do que muitas pessoas estão acostumadas a ter para viver e manter uma vida confortável.

Entra em cena, então, a previdência privada. Se você ainda não começou a fazer o seu planejamento financeiro, essa é hora. O mercado financeiro evoluiu nas possibilidades para a previdência privada, onde o investidor pode investir a partir de R$ 500 em fundos de grandes gestoras, atendendo o perfil mais conservador até aquele que está disposto a aplicar em ações.

A tributação dessa modalidade é benéfica a longo prazo, chegando a alíquota mínima de 10%. E de acordo com a sua renda anual, ela pode ser até inferior a 10%. Outro ponto importante, existem duas modalidades: PGBL e VGBL. O PGBL é indicado para quem faz a declaração do Imposto de Renda utilizando o modelo completo. Já o VGBL é indicado para as declarações no modelo simplificado.

Aproveite o momento de preparação para o Ano Novo e prepare os seus próximos 10, 20, 30 anos. Um consultor financeiro pode te auxiliar em boas escolhas, entendendo qual plano melhor se encaixa ao seu cenário. E lembre-se: quem planeja tem futuro, quem não planeja tem destino.