Foto Ilustrativa/Jornal Ibiá

Foto Ilustrativa/Jornal Ibiá

Estamos nos aproximando das eleições do dia 7 de outubro e o bombardeio realizado pela propaganda eleitoral provoca alvoroço e instabilidade no cenário político, especialmente se tratarmos do assunto relacionando-o com a necessidade de termos uma representatividade útil e efetiva nos candidatos que se apresentam como opções de voto.

Neste cenário onde os candidatos das mais diversas regiões perambulam e sobrevoam a nossa região à cata de votos, seria fundamental que os eleitores refletissem bem na hora de depositar o voto na urna, e pensassem na melhor representatividade que nossa região poderia ter, seja na Assembleia Legislativa de SC como também no Parlamento Federal.

Votar em candidatos da nossa região que poderão ocupar uma ou mais cadeiras no legislativo estadual seguramente aumenta as chances de que o(s) eventual(is) deputados estaduais que vierem a ser eleitos estarão muito mais próximos da nossa comunidade e, assim, poderão ser cobrados e prestar contas das suas atividades realizadas.

O mesmo raciocínio vale para o(s) candidato(s) a deputado federal, especialmente, já que de forma genuína não possuímos representantes ao Senado Federal e nem ao governo estadual.

Temos que pensar e acreditar que o nosso voto é um instrumento muito forte, através do qual faremos com que nossos representantes trabalhem de modo especial para o desenvolvimento da nossa região, uma vez que já estamos cansados dos candidatos conhecidos como abutres, que só se lembram de nós e da nossa região em época de eleições.

Temos a obrigação de fazer com que nossa escolha se traduza em um VOTO ÚTIL!

O fortalecimento do número de parlamentares significa uma voz a mais a defender a nossa região em influência, recursos, investimentos e oportunidades. Desde há muito carecemos de uma representatividade política mais ampla e que faça justiça à relevância que a nossa região possui no cenário estadual e nacional.

Todos nós devemos ter a consciência de que, enquanto o voto distrital ainda não foi instituído no país, deveríamos encarar as próximas eleições como se fosse para escolher nomes para representar o ‘nosso distrito’ (nossa região).

Os eleitos, pois, teriam que ter identidade com a terra. Se elegermos lideranças da região poderemos cobrar e exigir, pois são pessoas que encontramos nas ruas, e isso faz muita diferença. Façamos do nosso voto um instrumento útil e eficaz!