Foto Givaldo Barbosa/Agência Brasil

Foto Givaldo Barbosa/Agência Brasil

Embora admita que a greve dos caminhoneiros trouxe prejuízos para o país, o ministro da Fazenda, Eduardo Guardia, alega que a economia já voltou ao normal e retomou sua trajetória de crescimento. A declaração foi dada a jornalistas na tarde desta segunda-feira (11), na capital paulista, após sua participação na 5ª Conferência Anual do Goldman Sachs no Brasil.

A declaração de Guardia, dada no mesmo dia em que entidades da indústria pediram por medidas emergenciais e ajustes tarifários para se recuperar dos prejuízos com a greve e em um momento em que o país ainda avalia a extensão destes prejuízos - e como fará para compensar as despesas com o subsídio do diesel feito para dar um fim a paralisação - são mais um sinal da desconexão entre a realidade vivida pelo país e aquela que o governo federal projeta em ano eleitoral.

Um dos sinais mais claros desta "alienação governamental" se dá com o setor de combustíveis. Em reunião com o presidente Michel Temer, José Carlos Martins, presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), criticou a política de reajustes diários da Petrobras, que também foi alvo de reclamações dos caminhoneiros.

Para ele, a estatal, apesar de trabalhar com preços do mercado, não tem uma concorrência local, o que deixa a empresa mais confortável para trabalhar com aumentos. Na semana passada, a Agência Nacional de Petróleo e Biocombustíveis (ANP) afirmou que não interferiria na política de preços da estatal - apesar de toda a pressão de setores da economia para uma revisão da política.

Efeitos da greve são visíveis

Chega a ser espantoso que Guardia consiga afirmar tal coisa ante os impactos diretos da greve. Somente Jaraguá do Sul teve uma queda de 40% em suas exportações no mês de maio, por decorrência de entraves logísticos, e os 11 dias de paralisação causaram queda de até 36% nas exportações do país . O impacto nacional só não foi maior por que grande parte das exportações agropecuárias são movidas por trens.

Guardia, em seu fantástico mundo de recuperação imediata, vem negado até o impacto da greve sobre a projeção de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB). No começo do ano, o governo federal trabalhava com 3% de crescimento - agora, já chega a falar em 2%, após quedas sucessivas ao longo do ano, agravadas durante o mês de maio.

Se o ministro não está camuflando a realidade, estamos vivendo um verdadeiro milagre econômico: o país que, menos de duas semanas após uma paralisação quase total de dois terços de sua matriz de transportes, retoma toda a normalidade e o crescimento como se nada de excepcional tivesse acontecido.

Investors Day: WEG promove evento nos EUA

A WEG realizou na manhã desta terça-feira (12) o 1º investors Day, nos EUA. O evento foi destinado a analistas de investimentos e investidores institucionais de renda variável.

Além de assistirem apresentações sobre a empresa, os participantes puderam interagir com alguns executivos da companhia e conhecer um pouco mais sobre o processo de inovação e internacionalização, desenvolvimento de produtos e novas tecnologias da WEG.

O evento reuniu mais de 40 convidados em Nova Iorque e contou com a participação de Harry Schmelzer Jr., CEO, André Luis Rodrigues, CFO, Siegfried Kreutzfeld, diretor da WEG China, Peter Barry, diretor da WEG EUA, Paulo Polezi, diretor de Finanças e Relações com Investidos e André Salgueiro, Gerente de Relações com Investidores.

Esta é a primeira ação do gênero que a empresa realiza fora do Brasil. No Brasil o WEG Day será em dois dias, 20 e 21 de junho, na sede da empresa, em Jaraguá do Sul.

Plenária da Acijs será no centro de inovação

A reunião semanal da Acijs e Apevi do próximo dia 18 não será realizada no Centro Empresarial, como tradicionalmente ocorre. O encontro será no Centro de Inovação, a ser inaugurado na sexta-feira (15) como forma de valorizar a parceria do setor produtivo com o projeto viabilizado pelo governo do Estado.

Durante a plenária, três ex-presidentes da Acijs farão relatos dos seus períodos de gestão à frente da entidade: Oswaldo Pereira (1984-1985), Décio da Silva (1994-1996) e Paulo César Chiodini (2006-2008).

Também como parte da pauta, o empresário Moacyr Rogério Sens, presidente da Associação Centro de Inovação de Jaraguá do Sul, falará sobre o modelo de gestão e objetivos do empreendimento que conta com o envolvimento do poder público, da iniciativa privada e de instituições de ensino.

Aciag promove debate sobre política

No período em que se comemora a Semana do Jovem Empreendedor de Santa Catarina, o NJE da Associação Empresarial de Guaramirim (Aciag), promove um bate papo sobre política.

Os convidados, Diego Calegari, fundador do Politize! e o advogado e professor Cícero Dittrich, apresentarão o tema “Você não precisa de um partido para falar de política”.

O evento será na próxima quarta-feira (13) a partir das 19h30. A participação é gratuita, porém é preciso confirmar presença pelo telefone (47) 99177-5561.

IBGE estima queda na safra

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) reduziu para 228,1 milhões de toneladas a previsão da safra nacional de cereais, leguminosas e oleaginosas deste ano.

A estimativa do Levantamento Sistemático da Produção Agrícola, feita em maio, é 0,8% inferior (ou 1,9 milhão de toneladas) na comparação com a de abril.

Caso os números se confirmem, a safra será 5,2% menor que a de 2017, que ficou em 240,6 milhões de toneladas.