O empresário catarinense Luciano Hang, da rede Havan, e o paranense Carlos Wizard, da Sforza, lançaram campanha contra a legislação que libera a compra de vacinas pela iniciativa privada, desde que os imunizantes sejam doados para o SUS.

As informações são da Folha de São Paulo. A dupla diz que quer vacinar os trabalhadores, mas que isso seria impedido pela obrigação de doar as vacinas ao SUS, e pede apoio na internet para fazer pressão no Congresso.

Segundo Hang, a lei nº 14.125 impede esse plano, porque ela permite a compra de vacinas pela iniciativa privada, mas exige que todas as doses sejam doadas ao SUS até que os grupos prioritários sejam imunizados.

“Enquanto o governo atua na vacinação do grupo prioritário, que conta com 78 milhões de pessoas, buscamos o direito de comprar e aplicar a vacina nos trabalhadores. A burocracia brasileira está matando 2 mil pessoas por dia”, escreveu Hang, pedindo que o Congresso mude a legislação.

Em entrevista ao Painel S.A. na semana passada, Wizard, disse que aceita bancar uma parte das vacinas para o SUS, mas a contragosto.

Segundo ele, sai mais barato para os empresários pagar pelo investimento nas vacinas do que ver o país continuar parado.

De acordo com a assessoria de imprensa de Hang, "a pressão não é contra a lei atual, e sim pela possibilidade de comprar para os trabalhadores".

Pela lei, é preciso esperar os prioritários - e após o fim da vacinação prioritária, metade das vacinas ainda tem que ser destinadas ao SUS.

O grupo de Hang e Wizard espera que possa chegar a um compromisso que atenda as necessidades públicas e que agrade ao grupo de empresários, em vista da lentidão - e relutância - do governo federal em fazer o que há de ser feito na compra e distribuição de vacinas.

Governo foi avisado sobre colapso

O governo catarinense foi avisado no início de dezembro de 2020 sobre o risco de colapso no sistema de saúde devido à Covid-19.

Na época, autoridades sanitárias alertaram para o crescente número de infectados e de internações, e que isso iria refletir também nos óbitos

As informações são do Estado de São Paulo. Dois meses após o alerta, em meados de fevereiro, Santa Catarina atingiu o limite máximo de internações.

Bitcoin

A CVM (Comissão de Valores Mobiliários) aprovou o primeiro ETF (Exchange Traded Fund, também conhecido como fundo índice, negociado em bolsa) de bitcoin da história da bolsa brasileira, a B3, a pedido da QR Asset Management, gestora de recursos da holding QR Capital.

As informações são da Valor Investe

Este é o ETF primeiro da América Latina atrelado ao bitcoin e apenas o quarto entre países que compõem o G20 (grupo das maiores 20 nações economias do mundo).

Sem internet

O presidente Jair Bolsonaro vetou, integralmente, o Projeto de Lei nº 3.477/20, que prevê o acesso à internet, com fins educacionais, a alunos e professores da rede pública de educação.

O texto, aprovado em fevereiro pelo Congresso, define que o governo federal destine recursos para estados e municípios aplicarem em ações que garantam internet gratuita, em razão da adoção do ensino remoto durante a pandemia de covid-19.

Em mensagem aos parlamentares, publicada nesta sexta-feira (19) no Diário Oficial da União, Bolsonaro diz que a medida é inconstitucional e contraria o interesse público ao aumentar a “alta rigidez do Orçamento, o que dificulta o cumprimento da meta fiscal e da Regra de Ouro”.

Saída no Banco do Brasil

Depois de menos de seis meses no cargo, o presidente do Banco do Brasil (BB), André Brandão, renunciou nesta quinta-feira (18).

A renúncia foi divulgada no início da noite, em fato relevante à Comissão de Valores Mobiliários (CVM), órgão responsável por regular as relações de companhias com ações na bolsa de valores com os investidores.

A saída terá efeito a partir de 1º de abril.

Segundo o comunicado, Brandão apresentou o pedido de renúncia na tarde de quinta-feira ao presidente Jair Bolsonaro, ao ministro da Economia, Paulo Guedes e ao presidente do Conselho de Administração do BB, Hélio Lima Magalhães.

O Palácio do Planalto e o Ministério da Economia ainda não informaram o nome do substituto.