Com uma iniciativa inovadora do ponto de vista pré-eleitoral, o deputado estadual Gelson Merisio (PSD) esteve ontem em Jaraguá do Sul. Durante uma hora e meia respondeu a perguntas de 12 pessoas, entre jornalistas e representantes de entidades como AMA, Hospital São José, Conseg e Associação das Imobiliárias.

Os temas, assim como os convidados, foram variados, mas o recado central do deputado, pré-candidato ao governo do Estado, é de que é preciso priorizar a segurança para devolver a liberdade à sociedade, reduzir drasticamente a máquina pública – nesse ponto prometeu, se for candidato e depois eleito, reduzir os 1.400 cargos comissionados existentes para 200-, além de modernizar sistemas e fazer uso da tecnologia. Ressaltou a sua perplexidade com o fato de o Estado ter 148 departamentos de Recursos Humanos para reforçar a necessidade de uma ampla reforma administrativa. “Um empregador com 148 departamentos de RH é a prova de que esse modelo está falido.”

Para fazer frente aos desafios de segurança, Merisio propõe uma reforma na legislação que incentive os policiais na reserva a voltar à ativa. Enquanto há cerca de 10 mil policiais atuando, são cinco mil na reserva. O deputado cita os onerosos custos com formação e preparo com a academia de polícia para justificar a ideia. “Hoje o Estado incentiva o policial a se aposentar e a ir para reserva cedo. O incentivo deve ser no sentido contrário.” Segundo estimativa apresentada por ele, em 2020, cerca de 60% de todos os servidores terão tempo para aposentadoria.

Para a região foram dois principais acenos. O primeiro é de que acabará com a meritocracia inversa adotada pelos últimos governos, que penalizam as experiências de sucesso e desestimulam a busca por soluções em outros municípios. Citou como exemplo o case do Hospital São José comparando com um hospital de Chapecó, sua cidade natal.

“Esse hospital tem 170 leitos e recebe uma subvenção do Estado de R$ 500 mil ao mês. O Hospital São José, que é referência de gestão no país, tem 300 leitos e recebe R$ 220 mil. Qual é o recado que o Estado dá com isso? Não se pode penalizar a eficiência”, defendeu. Merisio também falou sobre a duplicação do trecho urbano da BR-280. Disse que a obra não está pronta porque não foi prioridade para o governo, o que lamentou e prometeu encarar de forma diferente em um possível mandato de governador.

É claro que o objetivo central de Gelson Merisio com a sabatina que está levando para todas as regiões do Estado é se tornar mais conhecido e assim viabilizar seu nome na disputa majoritária de outubro. Para bater de frente com adversários internos do próprio PSD e ser o nome de consenso entre os partidos da pré-firmada aliança, além do PSD, PP e PSB, o deputado terá que ganhar densidade eleitoral nos quatro meses que restam para as convenções. O positivo da inciativa é que Merisio se expõe, diz o que planeja e se sujeita a ser questionado ao vivo sem restrições dos assessores; se conseguirá convencer os aliados e os eleitores de que é a melhor opção, isso é outra história.

Sabatina ao vivo

Na sabatina transmitida ao vivo pelas redes sociais, Gelson Merisio defendeu que o eleitor precisa fazer a sua parte e buscar informações durante a campanha que se aproxima. “A sociedade está de saco cheio com a forma de fazer política, mas é bom lembrar que a democracia permite recall.”

Em foco

  • Diversas lideranças políticas foram prestigiar a sabatina de Gelson Merisio ontem, na Amvali. Do PSD, estavam Jair Pedri, João Fiamoncini, Leonel Floriani, Lauro Fröhlich e Marcia Alberton, além dos deputados Antônio Aguiar (ex-PMDB), Kennedy Nunes e Darci de Matos. De outros partidos, nomes como vice-prefeito Udo Wagner (PP) e o ex-prefeito Ivo Konell (PSB).
  • À coluna, Konell adiantou que não vai concorrer este ano. No entanto, sua filha, a delegada de polícia Fedra Konell deve buscar uma vaga na Assembleia Legislativa. A decisão foi familiar e uma orientação do diretório estadual do PSB. “Ela só não vai se não quiser”, disse o ex-prefeito.
  • Merisio escolheu a Amvali para local da entrevista coletiva por representar uma das suas propostas; de extinção total das Agências Regionais, antigas SDRs. O deputado aproveitou para criticar a redução das estruturas anunciadas por Pinho Moreira. “Reduzir de 33 para 21 é bobagem. Pura demagogia.”
  • Questionado pela coluna sobre as negociações no próprio partido para viabilizar seu nome, Gelson Merisio respondeu que pretende ser uma opção para o eleitor, não uma imposição. Descartou qualquer possibilidade de participar de pré- vias dando a entender que só manterá sua pré-candidatura se esse for o consenso. Voltou a dizer que há muito tempo defende o rompimento com o PMDB por acreditar que é preciso apresentar ao eleitor uma alternativa diferente.
  • Merisio também disse ter uma relação de admiração e respeito pelo governador licenciado Raimundo Colombo (PSD), o que permite que exista divergências pontuais, incluindo aí a formação de alianças e posições para o pleito de outubro. Mas, no fim, ressaltou que espera fazer dobradinha com ele nas eleições.