Foto Arquivo
Foto Arquivo

Ah, meu Deus, se eu tivesse mais dinheiro, ah, se eu tivesse poder, nunca viveria esta vida medíocre que vivo, ah, meu Deus!

Não sei se você já disse essa frase estúpida,  mas muitos a vivem dizendo. E não sabem que logo ali, na esquina, há um ricaço chorando suas misérias, as maiores de todas as misérias: as misérias morais, emocionais, existenciais. Claro
que não vou dizer aquela frase consoladora, que também pode se dizer falsa, aquela que dizemos não raro a nós mesmos: dinheiro não traz felicidades... Os bem-humorados completam a frase: - não traz felicidade, manda buscá-la...
Fora do humor, a coisa é séria.

Não lembro o autor, mas a frase que agora vou dizer não é minha, aliás, todas as ideias já pensadas nunca foram de ninguém, as cabeças humanas intuem tudo, sabem sem saber que sabem... E falam. A frase é esta: - “Dentro de nós está o poder do consentimento para a saúde e a doença, a riqueza e a pobreza, a liberdade e a escravidão;

somos nós que controlamos isso e não os outros”.

A frase é de pensar e incontestável. Alguém pode dizer que não decidimos pela nossa liberdade, pela nossa escravidão, dando como exemplo uma pessoa presa, na cadeia. Diz que ela não decide por ficar presa ou não... Aí é que está, muitos que conheceram cativeiros horrendos, como cárceres dos tempos de guerra, saíram de suas masmorras dizendo que nunca foram tão livres quanto quando estavam presos. Claro, é preciso entender, liberdade não é andar por aí, é bem mais que isso.

Liberdade é um estado de espírito, de alma, se você preferir. E assim com as soberanias da saúde. Nós nos adoecemos, nós nos curamos. Ninguém, fora de nós, tem poder sobre nossa saúde sem que permitamos. Mas vá dizer isso às multidões estultas, vá. Você pode ser cuspido. Sabedoria não é para qualquer um, nunca foi.

Saúde, liberdade e felicidade dependem de nós. Acreditar nisso e viver sob essa regência produz felicidade, o dinheiro sozinho não tem qualquer poder. Tive um amiguinho de infância que não conheceu calçadas, onde brincávamos, nós, os outros... Ele só nos via por trás dos vidros da janela em que fi cava. Era doente... Nunca esqueci dele. Você é livre?

Malhação

Dia destes, numa tevê, uma reportagem sobre a importância dos exercícios físicos para a saúde. A ilustração era uma moça levantando alteres numa academia. Legal, mas...

Por que a reportagem também não foi a uma livraria para mostrar outra moça, “levantando” um livro, colocando-o dentro da cabeça. Isso também, e com melhores resultados, faz parte da saúde. Os halteres da inteligência são os livros...

Respeito

O respeito começa nos pormenores. As mulheres não podem permitir que o namorado ou o marido ande com elas sem camisa nas ruas. São muitos os casos. Será que a mulher poderia sair sem blusa?

O que diriam os “impotentes”? Sem camisa na rua é coisa de ordinário que tem que ser colocado na “parede”. E vale para os que dirigem sem camisa. Têm que descer do carro já com as mãos par cima... Certo? Acho muito bom.

Falta dizer

Você quer viver em paz, sem que ninguém lhe aborreça, antipatize ou fale mal de você? É muito fácil. Seja um tosco no trabalho e na sociedade, seja medíocre, seja um nada.

Assim, você vai viver em paz. Mas se quiseres crescer e ser, ah, vais levar muito “chumbo”. Ninguém tolera os bem-sucedidos, os que têm virtudes para causar inveja nos “rebanhos”... Arghf.