Quando se constitui uma sociedade, além da afeição societária essencial para a existência da empresa, há uma relação de poder e dinheiro. Nas empresas familiares acrescenta-se ainda questões de cultura, sentimentos e valores cultivados ao longo dos anos. Cada negócio tem suas peculiaridades e é natural que enfrentem desafios em momentos e com intensidades distintas. No entanto, o que se percebe nas empresas familiares é que muitas delas não perpetuam no tempo por falta de preparo dos sucessores.

É fundamental começar o processo de desenvolvimento do herdeiro o mais cedo possível, eis que é um processo de aprendizado longo para se tornar um empresário de sucesso. Os herdeiros precisam compreender os valores e a cultura da empresa e da família.

Nem sempre o herdeiro será a pessoa ideal para assumir o negócio. Muitas vezes, há outros anseios e sonhos que precisam ser respeitados. O que se busca com o desenvolvimento do herdeiro, é permitir que a família perceba àqueles que possuem aptidões para o negócio e queiram estar nele. Ainda que o herdeiro não esteja inserido diretamente no negócio, ele deve conhecer a empresa, acompanhar sua evolução e se interessar pela continuidade do negócio.

A preocupação em profissionalizar o negócio deve ser recorrente: o familiar não pode estar na gestão simplesmente porque é filho do dono, mas sim porque ele possui expertise para tanto. O herdeiro precisa estar preparado para entender que a empresa precisa continuar, manter-se saudável e, para tanto, deve pensar de forma estratégica, inovar e analisar as condições de mercado.

A nova geração tem um papel fundamental na perpetuação do negócio, seja nas transformações tecnológicas, quanto na definição de estratégias, precisando estar capacitada e apoiada para esta função. Por isso é importante que os herdeiros estejam envolvidos na empresa na hora de definir estratégias, planos, fazendo com que se mantenha os valores essenciais à continuidade do negócio.

Os herdeiros devem ser preparados e incentivados a valorizarem a empresa através de um planejamento sucessório, com técnicas adequadas. Este é o ingrediente essencial para o sucesso na continuidade do negócio.

Artigo elaborado pela Dra. Fernanda Fachini, advogada com especialização Master of Business Administration em Direito Tributário pela FGV - Fundação Getúlio Vargas e pós-graduação em Direito Previdenciário pelo Instituto Nacional de Ensino Superior e Pesquisa - INESP. Atua na área de Direito Tributário, Direito Societário, Direito Empresarial e Reorganização e Planejamento Societário, Sucessório e Proteção Patrimonial no escritório Mattos, Mayer, Dalcanale & Advogados Associados.