A cada dia menos pacientes nos procuram com cáries extensas e com dores de dente causadas em consequência da lesões cariosas. Essa diminuição se dá, principalmente, porque a cárie é um problema que teve uma campanha de combate efe­tiva no país, a correta orientação de higiene e as visitas mais regulares ao dentista diminuem ano a ano os ín­dices deste problema.

O tipo de lesão que mais acomete jovens nos consultórios atualmente são chamadas de lesões não cario­sas. Esse tipo de lesão se dá com a perda de tecido dental, por acúmulo de forças em dentes não preparados para recebê-las sozinho, que se ca­racteriza por formar um pequeno degrau em forma de cunha na base dos dentes perto da gengiva, o que chamamos de retração gengival, o que causa muita sensibilidade no paciente.

Dentições saudáveis, de maneira geral, com boa higiene começam a apresentar sinais de desgaste avan­çado em pacientes com mais de 50 anos, porém, hoje é muito comum serem encontradas em pacientes de 25 a 40 anos.

Muitas vezes o paciente orientado por seu dentista troca a escova den­tal por escovas mais macias, evita a escovação com força, mas não encon­tra melhora no quadro de retração e sensibilidade. Porém, há tratamento efetivo para esse problema.

O primeiro passo é definir se o paciente se encontra em algum dos grupos de risco descritos abaixo:

  • Ex-usuários de aparelho ortodô­ntico ou apertadores dentais;
  • Pacientes com refluxo gástricos esofágico;
  • Atletas de média e alta intensida­de (mais de quatro treinos semanais) - nesse grupo vale salientar os atletas de natação devido ao tratamento da água das piscinas;
  • Usuários de medicamentos an­siolíticos e drogas psicoativas.

Normalmente o paciente se en­quadra em um ou mais dos grupos ci­tados e, se não apresenta sinais ainda, é de fundamental importância fazer uma correta avaliação preventiva.

Os tratamentos são efetivos e me­lhoram significativamente a qualida­de de vida e longevidade dos dentes, afinal, com a expectativa de vida au­mentando, consequentemente o tem­po que os dentes devem permanecer em função também aumenta. Devido a maior ansiedade das pessoas nos dias atuais, os dentes e restaurações em boca sofrem maior dano e desgas­te, portanto alguns ajustes e medidas preventivas são necessárias.

Para tratar deste problema, de­vemos corrigir e preservar as guias de proteção da mordida através de pequenos acréscimos em resina com­posta, gerar protocolos adequados para hipersensibilidade dentinária, e fazer restaurações para devolver o tecido dental perdido. Esses são al­guns dos tratamentos efetivos, além das microcirurgias de recobrimento radicular, que quando bem indicadas e removidas as causas, tem excelen­tes resultados.

Nossa equipe esta a disposição para avaliar e orientar os melhores tratamentos para cada caso.

Um abraço até a próxima!

  • Dr. Diego Mayer – CRO/SC 11.637 - Membro da Sociedade Brasileira de Odontologia Estética - SBOE - Excelência em Estética Odontológica - IDP - Especialista em Implantodontia- Unicsul