É sabido que a alimentação balanceada exerce um papel fundamental, assim como a prática regular de exercício físico, em uma maior expectativa de vida. Comer bem e fazer academia regularmente são tão essenciais quanto o gerenciamento do estresse. O estresse diário existe, não tem como negar, mas o que faz toda a diferença é como reagimos a ele, afinal, é um dos principais “gatilhos” para desencadear doenças.

A epigenética ensina como os hábitos influenciam os genes. Sabemos que um estilo de vida saudável é positivo, mas onde você vive, o ambiente, com quem e como vive, assim como a genética, são fatores que influenciam na longevidade. Assim como o equilíbrio emocional, a satisfação pessoal, a alegria de viver, a proatividade, a motivação pessoal, a forma de enxergar a vida, são atitudes que contam pontos no processo de envelhecer bem.

Existem alguns estudos apontando que fazer parte de um grupo, seja religioso, de amigos, de idosos, de jogos, de viagens, aumenta a expectativa de vida. As relações sociais permitem trocas, diálogo, acolhimento e abertura a outros pontos de vista. Participar de um grupo que tem dificuldades parecidas que podem ser compartilhadas, aumenta a consciência da importância de adotar hábitos bons. Essa convivência pode ser uma motivação para viver mais. Sabemos que idosos ativos, que dançam, que participam de trabalhos voluntários, sofrem menos de solidão e depressão.

Apesar dos avanços médicos, o crescimento da população idosa ainda é acompanhado do aumento dos índices de doenças crônicas, de demência, Parkinson e Alzheimer. A maioria das doenças são geradas a partir de um estilo de vida ruim. Por isso, a adoção de hábitos saudáveis não só evita doenças, como melhora a locomoção, evita obesidade, estimula a imunidade e a autoestima.

Felizmente, existe uma preocupação crescente em relação à saúde, alimentação e qualidade de vida. Os idosos estão cada vez mais ativos, produtivos e preocupados em buscar um estilo de vida saudável. Viver mais não é sinônimo de viver bem. Ser saudável deixou de estar relacionado somente à ausência de doenças, mas, principalmente, com equilíbrio físico, mental, emocional e espiritual. Pessoas engajadas em se cuidar reagem de forma mais positiva diante da doença. Viver mais e melhor é uma arte, depende muito das escolhas.