Caso ocorreu no CEI do bairro Parque Guarani | Foto Divulgação

Caso ocorreu no CEI do bairro Parque Guarani | Foto Divulgação

Tem repercutido em Joinville, a decisão da direção de um Centro de Educação Infantil do bairro Parque Guarani, em não comemorar o tradicional "Dia das Mães". Essa comemoração é geradora do segundo melhor desempenho na economia, ficando somente atrás do tradicional evento da cultura cristã, o Natal. Os números em Santa Catarina, ultrapassam os R$ 9 bilhões, de acordo com a Confederação Nacional do Comércio.

A comemoração é histórica, antes mesmo daquela protagonizada por Anna Jarvis em 1907. Vale verificar a influência matriarcal na mitologia grega e também nos escritos bíblicos.

Não se pode negar a influência dessa figura umbilical que transcende a questão biológica. Com a palavra "Mãe", podemos utilizar como substantivo ou adjetivo. Podemos utilizar como sinônimo de amor, carinho, dedicação, afeto e abrigo. Pode ser o regaço da alma.

Todo ser, inevitavelmente, possui a figura materna em algum momento da sua vida. Vejo heterossexuais fazendo referências, homossexuais fazendo referências, órfãos fazendo referência aquelas pessoas que protagonizaram tal posição.

Infelizmente, o tradicional ficou feio, a cultura secular banal e muitos valores deixados de lado. Não é possível, que um instituto caia no acaso. Mãe é mãe, instituto vitalício!